Tempo
|
A+ / A-

Santos Silva

Turquia vs. Chipre e Grécia. "Mediterrâneo Oriental não pode tornar-se zona de conflito"

28 ago, 2020 - 17:26 • Lusa

UE a 27 volta a pedir à Turquia alteração do comportamento “ilegal e agressivo” em relação ao Chipre e à Grécia e deixa aviso de sanções, adianta ministro dos Negócios Estrangeiros.

A+ / A-

O Mediterrâneo Oriental “não pode tornar-se numa zona de conflito” e os diferendos existentes devem ser resolvidos através de negociações ou pela via judicial, defendeu esta sexta-feira o ministro português dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Por essa razão, os chefes das diplomacias dos 27 Estados-membros da União Europeia (UE) decidiram hoje voltar a enviar à Turquia a mensagem de que esperam uma alteração do comportamento “ilegal e agressivo” que tem adotado em relação ao Chipre e à Grécia, caso contrário será objeto de sanções europeias.

“Entendemos que o Mediterrâneo Oriental não se pode tornar uma zona de conflito”, afirmou Augusto Santos Silva, contactado telefonicamente pela Lusa para Berlim, onde participou no Conselho informal de ministros dos Negócios Estrangeiros da UE.

“Os problemas e diferendos que existem, designadamente entre Chipre e a Turquia, relativamente à soberania de cada um dos países sobre o domínio marítimo, devem ser resolvidos como os diferendos são resolvidos no mundo civilizado contemporâneo, […] através das negociações e, se houver impasse nas negociações em relação às questões jurídicas, através dos processo jurídicos adequados”, defendeu.

Santos Silva apontou a Turquia como “responsável principal” da atual “ausência de diálogo e conflitualidade” no Mediterrâneo Oriental, pelo “padrão de comportamento” que tem tido, “pondo em causa a soberania de Chipre e da Grécia e fazendo prospeções ilegais em águas disputadas”, comportamento que “tem de ser alterado”.

“O acordo a que hoje chegámos foi para justamente iniciar um processo que permita habilitar-nos com a possibilidade de aplicar sanções adicionais, se a Turquia persistir no comportamento atual que nos parece ilegal e agressivo”, disse, referindo-se às conclusões da reunião.

“A nossa mensagem é que esperamos uma alteração do comportamento [da Turquia] nos próximos dias e semanas. E entretanto vamo-nos preparando para a eventualidade, infeliz mas possível, de isso não acontecer.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+