Tempo
|
João Ferreira do Amaral
Opinião de João Ferreira do Amaral
A+ / A-

Brexit e fim do período transitório

28 ago, 2020 • Opinião de João Ferreira do Amaral


Tanto quanto se sabe, e apesar da pandemia que dificulta obviamente todo o processo, as negociações estão a decorrer e não há para já indicação que não se possa chegar a acordo. Para Portugal, estas negociações são da maior importância, dado o valor do nosso comércio com o Reino Unido.

A pandemia e todos os problemas (muitos e diversificados) associados ocupam, como é natural, grande parte do espaço mediático e também da atenção, legitimamente preocupada, das pessoas.

Mas não devemos esquecer que, melhor ou pior a vida vai continuando e que há também coisas importantes que vão acontecendo, embora não tenham o impacto mediático da pandemia.

Um exemplo, que é especialmente importante para nós é o das negociações decorrentes do Brexit.

Como se sabe, depois de o Reino Unido sair da União Europeia, foi estabelecido um período transitório destinado à realização de negociações entre o Reino Unido e os 27 estados da União no sentido de se chegar a um acordo de comércio livre que permita regular as relações comerciais entre as duas partes de forma satisfatória.

Esse período transitório está a decorrer e termina no final deste ano. Portanto, até 31 de Dezembro as partes têm de chegar a acordo, sob pena das relações económicas entre a União e o Reino Unido poderem ser fortemente afectadas, uma vez que o comércio, nessa hipótese, se faria segundo as regras gerais de comércio internacional, ou seja de forma menos livre e fácil.

Tanto quanto se sabe, e apesar da pandemia que dificulta obviamente todo o processo, as negociações estão a decorrer e não há para já indicação que não se possa chegar a acordo.

Para Portugal, estas negociações são da maior importância, dado o valor do nosso comércio com o Reino Unido.

Por isso, vamos esperar que as negociações cheguem a bom termo, tanto mais que nesse caso, o resultado poderia facilitar acordos bilaterais Portugal/Reino Undo noutros domínios que são também de grande importância para nós (lembremos, por exemplo o caso do turismo).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    28 ago, 2020 Lisboa 13:13
    Podemos não ser grandes em tamanho e menos ainda em importância e peso político no quadro das grandes Nações. Mas com os bifes fora de Bruxelas, o nosso peso em negociações com eles aumenta: podemos vir a ser uma porta lateral para continuarem os business. É aproveitar esse facto.