Tempo
|
A+ / A-

Covid-19: UE assina primeiro contrato de compra de 300 milhões de vacinas

27 ago, 2020 - 13:00 • Ricardo Vieira, com Reuters

Vacina em causa está a ser desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica britânica AstraZeneca.

A+ / A-

Veja também:


A Comissão Europeia assinou o primeiro contrato de compra de uma vacina contra a Covid-19 que está a ser desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica britânica AstraZeneca. O investimento é de 336 milhões de euros.

O acordo celebrado em nome dos Estados-membros prevê o fornecimento de, pelo menos, 300 milhões de doses.

Este é o primeiro contrato assinado entre a União Europeia com um fabricante de uma potencial vacina para a Covid-19.

O entendimento tem uma opção de compra de 100 milhões de doses adicionais, que serão distribuídas pelos países da UE.

A vacina da AstraZeneca é uma das que está mais adiantada na fase de testes.

Numa primeira fase, a União Europeia, o Reino Unido e os países parceiros tencionam vacinar, pelo menos, 40% da população, de acordo com o esboço de um plano divulgado na quarta-feira.

A meta inicial de vacinação da UE representa o dobro dos objetivos definidos pela Organização Mundial de Saúde, que pretende, numa primeira fase, adquirir doses para 20% da população mundial mais pobre.

Entretanto, o ministro francês da Saúde, Olivier Veran, disse esta quinta-feira que as primeiras vacinas para a Covid-19 pode estar disponíveis entre o final do ano e o início de 2021.

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, declarou, por seu lado, que o país tem de agir rapidamente para enfrentar uma nova onda de casos, num altura em que o país regista o maior número de novas infeções desde o início do desconfinamento.

O uso de máscara vai passar a ser obrigatório em toda a cidade de Paris e em todas as universidades francesas para conter a pandemia da Covid-19, que "está a aumentar novamente em França", anunciou Jean Castex.

[notícia atualizada]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • joaquim
    27 ago, 2020 porto 15:30
    E entretanto se houver algum problema com as vacinas ninguém pode responsabilizar (levar a trbunal) as Farmaceuticas porque segundo o lobby das ditas, elas quase que foram obrigadas a acelerar todo o processo de desenvolvimento das vacinas e a EU já disse sim senhor a culpa não é vossa........
  • Ivo Pestana
    27 ago, 2020 Funchal 14:11
    E bem, mas muitos não vão querer apanhar. Existem vários anti vacinas.