Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Opinião de Francisco Sarsfield Cabral

Os “mal-entendidos”

27 ago, 2020 • Francisco Sarsfield Cabral • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Os meios sérios de comunicação social rejeitaram sem hesitações uma prática proibida pelo código deontológico dos jornalistas – a divulgação de algo cujo acesso não foi legal. Mas o caso também confirmou a impaciência do primeiro-ministro perante quem dele discorda ou faz perguntas “inconvenientes”.

Os meios sérios de comunicação social rejeitaram sem hesitações uma prática proibida pelo código deontológico dos jornalistas – a divulgação de algo cujo acesso não foi legal. Mas o caso também confirmou a impaciência do primeiro-ministro perante quem dele discorda ou faz perguntas “inconvenientes”.

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, tem falado frequente e sensatamente sobre muitos problemas na área da saúde. Foi dele que partiu a iniciativa de solicitar um encontro com o primeiro-ministro, para tentar desanuviar um ambiente carregado, sobretudo depois de se saber que A. Costa teria classificado de “cobardes” médicos que, alegadamente, se teriam recusado a ir a um lar.

Ao fim de uma reunião de três horas com a Ordem dos Médicos, na passada terça-feira, o primeiro-ministro disse esperar que “todos os mal-entendidos” estivessem esclarecidos. Quem viu na televisão a cara do bastonário Miguel Guimarães não ficou com a ideia de ele estar satisfeito com as declarações de A. Costa. O que ontem se confirmou, numa carta do bastonário aos cerca de 50 mil filiados na Ordem, acusando o primeiro-ministro de ter um discurso em privado e outro em público. Concretamente, não tendo nas suas declarações públicas transmitido fielmente “aquilo que minutos antes tinha reconhecido” no encontro.

Ou seja, este mal-entendido não está encerrado. Mas teve, pelo menos, um aspeto positivo.

Como se sabe, o caso foi desencadeado por uma frase de António Costa, dita em conversa privada com os jornalistas do “Expresso” que o tinham acabado de entrevistar. Os meios sérios de comunicação social, a começar pelo próprio “Expresso” e incluindo televisões, rejeitaram sem hesitações uma prática proibida pelo código deontológico dos jornalistas, noticiar algo obtido ilegalmente. Aqui, na Renascença, a diretora de informação Graça Franco foi das primeiras vozes a assumir que não vale tudo para os jornalistas darem notícias.

É uma questão ética; e também está em jogo o respeito indispensável para manter a confiança entre os jornalistas e as suas fontes.

A posição responsável dos jornalistas não foi seguida pelas redes sociais. Era de esperar, pois na selva da internet a responsabilidade não é um valor apreciado. Por vezes, ali insultam-se pessoas a coberto do anonimato – o cúmulo da cobardia...

Passados alguns dias, tendo o caso entrado no espaço público, a generalidade dos “media” referiu que o primeiro-ministro tinha, em “off”, considerado “cobardes” médicos que, alegadamente, se teriam recusado a tratar doentes em lares. Esta crítica de A. Costa, que não deveria ter sido divulgada, confirma uma visível e crescente impaciência do primeiro-ministro face a perguntas agressivas de jornalistas e a opiniões discordantes. E a duplicidade denunciada ontem pelo bastonário da Ordem dos Médicos não prestigia o primeiro-ministro.

Talvez pressionado pela pandemia, António Costa está a perder a serenidade. Já começa a tratar mal jornalistas que fazem o seu trabalho, lembrando Sócrates, que procurou interferir nos “media” (TVI). É uma característica infeliz dos autocratas: o primeiro-ministro húngaro Viktor Orbán calou muitas vozes da oposição promovendo a compra de jornais e televisões por pessoas que o apoiam; Trump considera os jornalistas como seus inimigos pessoais; Bolsonaro insulta quem lhe faz perguntas, como é obrigação dos jornalistas, etc.

É vital que posições destas não se repitam entre nós, porque elas representam perigosos recuos na democracia. A atual promoção pelo governo e pelo PS de figuras ligadas à desastrosa governação de Sócrates não inspira confiança nesta e noutras matérias.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Não se preocupe
    27 ago, 2020 é uma raça de mãos sujas 10:34
    O hacker Rui Pinto divulgou informação que foi truncada, e manipulada para parecer o que não era, informação essa obtida através da intrusão e invasão de sistemas informáticos, e hoje até já foi "contratado" pelas autoridades para ajudar a espionar de preferência pessoas oposicionistas à presente situação. Não vejo diferença aqui. O código deontológico dos jornalistas? Ora, Ora. Estão é preocupados com passarem a ser corridos das conferências de imprensa ou de ficarem sem fontes. Jornalistas: uns avençados que se lhes recusamos entrevista, inventam "estórias" porque têm de preencher a coluna, e onde as notícias "marteladas" saem na primeira página e o direito de resposta na última, escondido entre anúncios ...