Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de ​Covid-19

União das Misericórdias diz que médicos se recusaram a trabalhar em lar do Barreiro

24 ago, 2020 - 18:36 • Tiago Palma , Isabel Pacheco

Manuel Lemos não adianta se esta é, ou não, uma denúncia isolada. Mas espera vê-la resolvida, “a bem dos portugueses e a bem das pessoas idosas”, já esta terça-feira na reunião entre o primeiro-ministro e o bastonário dos médicos.

A+ / A-

Veja também:


O presidente da União das Misericórdias Portuguesas denuncia, à Renascença, a recusa de assistência médica num lar do Barreiro, distrito de Setúbal, onde foi detetado um surto de Covid-19.

Manuel Lemos explica que o episódio lhe foi relatado pela provedora da Santa Casa da Misericórdia do Barreiro, Sara de Oliveira, após ter pedido o apoio do médico do Centro de Saúde local.

“O lar até tem médica. Na verdade, tem mais do que um médico. Mas os médicos estavam a ter férias no Algarve. Num primeiro momento, nós transferimos os doentes que estavam sintomáticos para os hospitais. E como o lar é grande, tentámos isolar os que estavam assintomáticos dos que estavam negativos. Naturalmente estas pessoas precisam de cuidados médicos. E a senhora provedora telefonou-me no sábado, dizendo-me que o diretor do lar lhe tinha dito que tinha uma carta assinada pelos médicos, que se recusavam a ir ao lar”, explica Manuel Lemos, lembrando que “naturalmente a situação causou-nos [União das Misericórdias] apreensão”.

O caso foi levado, esta segunda feira, à Ordem dos Médicos. E é um assunto que Manuel Lemos espera que seja discutido na reunião de terça-feira entre o primeiro-ministro António Costa e o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães.

“Neste momento, o caso evidente que temos na mão é o do Barreiro. Não vale a pena fazer futurologia [quanto a outros casos]. Acreditamos que amanhã na conversa com o senhor primeiro-ministro estas e outras situações se resolvam todas. É bom que sim, porque é a bem dos portugueses e a bem das pessoas idosas”, defende o presidente da União de Misericórdias.

A questão da recusa de assistência médica tem gerado polémica. No domingo, foi revelada nas redes sociais uma conversa “off-the-record” do primeiro-ministro após entrevista ao Expresso na qual António Costa acusa os médicos de “cobardia”, criticando a sua atuação no lar de idosos de Reguengos de Monsaraz.

“O presidente da ARS [Autoridade Regional de Saúde] mandou para lá os médicos fazer o que lhes competia e os gajos, cobardes, não fizeram”, disse Costa.

Não tardaria a reação da Ordem dos Médicos, que rejeitou a acusação do primeiro-ministro, a qual considerou “ofensiva”.

“Apesar da falta de condições no lar e no pavilhão para onde mais tarde foram transferidos os doentes, os médicos de família nunca se recusaram a colaborar e continuaram a cuidar e tratar dos idosos doentes, estando o seu trabalho devidamente documentado. Apesar das ignóbeis pressões e ameaças, os médicos não abdicaram de continuar o seu trabalho de cuidar dos doentes nem do dever de denúncia perante as graves insuficiências verificadas no terreno”, retorquiu a Ordem dos Médicos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Felipe Azyral
    25 ago, 2020 21:04
    Não houve recusa de apoio médico no lar do Barreiro, garante ARS de Lisboa e Vale do Tejo.
  • Americo Anastacio
    25 ago, 2020 Leiria 11:01
    Vamos lá ver se nos entendemos. Então numa altura de pandemia a Sra provedora não "deixa" pelo menos um médico em serviço? Vão todos de férias e os do Centro Saúde é que tem de ir socorrer? Mas que raio de gestão é esta ? O Sr. Manuel Lemos em lugar de chamar a atenção desta gestão, ainda vêm atirar lenha para a fogueira? Que "raio" de dirigentes temos nas Misericórdias ?
  • Controlo de danos
    24 ago, 2020 Fiteiros 21:03
    Agora as desculpas, as meias-verdades para proteger a querida do Costa e desviar a atenção de que mais uma vez, quem devia vigiar, foi apanhado a dormir na forma... O controlo de danos do PS, a funcionar a toda a mecha...