Tempo
|
A+ / A-

Papa Francisco. “Deus não quer que o seu nome seja usado para aterrorizar pessoas”

22 ago, 2020 - 15:01 • Lusa

O Papa recorreu à sua conta pessoal do Twitter para deixar uma declaração por ocasião do Dia Internacional em Comemoração das Vítimas dos Atos de Violência Baseada na Religião ou Crença, criado em 2019.

A+ / A-

O Papa Francisco disse, este sábado, que “Deus não precisa que ninguém o defenda”, numa declaração publicada nas redes sociais, ao apelar para que não se instrumentalizem as religiões para fomentar o ódio.

“Peço a todos que parem de instrumentalizar as religiões para incitar ao ódio, à violência, ao extremismo e ao fanatismo cego”, escreveu o Papa Francisco na sua conta oficial no Twitter.

Na mesma publicação, Francisco sublinhou, ainda, que “Deus não quer que o seu nome seja usado para aterrorizar pessoas”.

A declaração foi feita na data em que se celebra, pelo segundo ano, o Dia Internacional em Comemoração das Vítimas dos Atos de Violência Baseada na Religião ou Crença, estabelecido pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 2019.

Em fevereiro do mesmo ano, Francisco e o imã Al Tayeb, de Al Azhar, líder do Islão sunita, assinaram em Abu Dhabi o “Documento da fraternidade humana” no final da visita do Papa aos Emirados Árabes Unidos, a primeira de um chefe da igreja católica à península arábica.

No documento, os dois líderes religiosos refutam a violência “em nome de Deus” e a utilização das religiões para fomentar o ódio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.