Tempo
|
A+ / A-

Catarina Martins

Bloco só negoceia orçamento de 2021 quando PS cumprir o que acordou para 2020

22 ago, 2020 - 13:26 • Lusa

Catarina Martins comentava, este sábado, em Penafiel, a entrevista do primeiro-ministro, publicada no "Expresso", na qual António Costa diz pretender negociar o próximo orçamento com os partidos de esquerda.

A+ / A-

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, disse, este sábado, não ser possível negociar o próximo Orçamento do Estado sem que antes o PS cumpra o que acordou para o atual.

"Não é possível começarmos a negociar o próximo Orçamento do Estado sem o PS cumprir sequer o que já foi acordado para o último Orçamento de Estado. Seja no fim do fator de sustentabilidade para as profissões de desgaste rápido como a vossa, seja nas contratações que o SNS [Serviço Nacional de Saúde] precisa para poder responder à Covid-19, sem deixar de responder a tudo mais que a população precisa", afirmou.

A dirigente do BE comentava, em Penafiel, a entrevista do primeiro-ministro, publicada no "Expresso", este sábado, na qual António Costa diz pretender negociar o próximo orçamento com os partidos de esquerda.

"É para nós muito importante cobrar o que não foi cumprido, porque nós não nos esquecemos", acentuou Catarina Martins, falando para um grupo de trabalhadores do setor das pedreiras, com os quais tratou, este sábado, a questão das reformas e o fator de sustentabilidade para as profissões de desgaste rápido.

A coordenadora do BE sublinhou que o partido leva "muito a sério" os seus compromissos.

"Levamos a sério o compromisso que temos convosco e, portanto, sabemos que não podemos dar mais passos, sem que aquilo que foi prometido seja cumprido".

"O BE viabilizou o Orçamento do Estado de 2020 com algumas garantias e com algumas negociações. Um dos acordos era sobre o fim do fator de sustentabilidade para as carreiras de desgaste rápido e o PS, pura e simplesmente, não cumpriu", reforçou, acrescentando: "nós vimos o decreto, vocês viram, a comunicação social viu o decreto, a promessa foi feita - quando entrasse em vigor o Orçamento do Estado para 2020 acabava o corte do fator de sustentabilidade para as profissões de desgaste rápido, como os mineiros, os trabalhadores das pedreiras e outros. E, depois, pura e simplesmente, o Governo não cumpriu".

Catarina Martins indicou ainda que o PS "não cumpriu" o acordo com o BE, "por exemplo, na contratação de mais gente para o SNS".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    23 ago, 2020 Lisboa 11:05
    Então se prometeu e não cumpriu, é óbvio que vai voltar a prometer, sem cumprir outra vez. O voto do BE só pode ser contra o Orçamento. Nada de "abstenções violentas" é voto contra, ponto final. Se não, também se torna óbvio que estão combinados com o PS e andam-nos a aldrabar com teatro de enganos. E aí, são capazes de começar a perder deputados ...
  • manuel ferraz
    22 ago, 2020 23:00
    Vejo a imagem da Catarina e faz-me lembrar o padre da paróquia" irmãos a paz esteja convosco " . Para esta senhora está tudo em paz , só quer protagonismo. E quuando tem umas câmaras de televisão então está no seu melhor. Para quê comentar sobre os polícias que são todos os dias agredidos. Sobre isto nem uma palavra, mas como ela todos os partidos. Se fossem os polícias a agredirem alguém então caía o carmo e a Trindade. Que estado este que não tem respeito nem exige respeito.