Tempo
|
A+ / A-

Líbano

Beirute. Sobe para 182 número de mortos na explosão do porto

22 ago, 2020 - 14:25 • Lusa

O exército libanês dá ainda como desaparecidas cerca de 300 pessoas.

A+ / A-

O número de mortes devido à explosão que ocorreu no porto de Beirute, capital do Líbano, a 4 de agosto, e que feriu mais de seis mil pessoas, subiu para 182, divulgou, este sábado, o Ministério da Saúde libanês.

A agência Efe noticia, este sábado, com base numa fonte do departamento de Saúde do Líbano, que são já 182 os mortos registados fruto da explosão, mantendo-se o número de feridos antes referido.

Já o exército libanês dá ainda como desaparecidas cerca de 300 pessoas.

A 4 de agosto, a explosão de 2.750 toneladas de nitrato de amónio, que estavam armazenadas num armazém do porto de Beirute, gerou uma onda de choque que afetou toda a capital do Líbano.

Este sábado, o Presidente libanês, Michel Aoun, apelou às pessoas afetadas pela explosão para "se agarrarem às suas terras, casas e à identidade de sua cidade, Beirute".

O governante disse que “o processo de indemnização será rápido, eficiente e justo”, acrescentando que os prejuízos causados pela explosão poderão rondar os 15 mil milhões de dólares.

Mais de metade dos centros de saúde públicos e privados da capital libanesa foram afetados, o que dificultou não só o atendimento aos feridos, mas também as pessoas infetadas devido à pandemia da Covid-19.

As agências da Organização das Nações Unidas, organizações humanitárias e a comunidade internacional têm vindo a apoiar o Líbano com o envio de mantimentos e ajuda médica.

A “devastação” em Beirute vista por Farah. “Queremos sair do país. Não confiamos as nossas almas ao governo”
A “devastação” em Beirute vista por Farah. “Queremos sair do país. Não confiamos as nossas almas ao governo”
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.