Tempo
|
A+ / A-

Monet e Klimt reinterpretados para quem “não é fã de arte clássica”

21 ago, 2020 - 06:33 • Redação

A exposição pode ser visitada até 15 de outubro. Todas as regras sanitárias vão ser cumpridas

A+ / A-

A Immersivus Gallery, galeria de arte na Alfândega do Porto, acolhe a partir desta sexta-feira a exposição digital "Impressive Monet & Brilliant Klimt".

Através das obras dos famosos pintores Monet e Klimt ,o espetáculo, a cargo do atelier OCUBO, pretende levar o espectador “para dentro da imaginação dos artistas”.

O diretor artístico e cofundador do OCUBO, Nuno Maya, diz à Renascença que a experiência imersiva é “pioneira” e foi feita a pensar não só “nos amantes de arte”, bem como “no público em geral que não é fã de arte clássica”. As obras foram “reinterpretadas” com recurso a animação e “as pinturas ganharam vida”.

“O espaço é especial, tem projeções no chão e teto. Os quadros estão projetados para dar a sensação de 3D. Ficamos com a ideia que os elementos voam”, explica o diretor artístico. O objetivo foi “tirar as pinturas antigas das molduras”.

A exposição convida o “público familiar, numa oportunidade direta de dar a conhecer aos mais novos as obras-primas de Monet e Klimt”. OCUBO promete que seja uma experiência “lúdico-pedagógica em conjunto com os pais”, utilizando hologramas e projeções a 360 graus.

Apesar de ser a primeira experiência imersiva em Portugal, Nuno Maya adianta que no futuro vão existir mais exposições interativas e imersivas no espaço, sempre em alternância com a exposição "Porto Legends" - que conta dez lendas da cidade.

No espetáculo é possível encontrar coleções de quadros como "Water Lilies" e "SunFlowers", de Monet, transportando o espetador para os “jardins de Monet”. Quanto a Klimt, o confundador do OCUBO destaca a pintura "The kiss" como “uma das peças principais da exposição”, servindo de “fio condutor da viagem pelo trajeto artístico”, lê-se no site.

Nuno Maya encontra-se “confiante que venha muita gente”, realçando que com a pandemia “as pessoas estão ansiosas pelo acesso à cultura”.

Maya assegura, ainda, que todas as regras sanitárias serão cumpridas, seguindo as diretrizes da DGS, sendo obrigatório o uso de máscara. Embora “o espaço seja amplo”, a lotação máxima é de 50 pessoas. “É como ir às compras”, compara.

A exposição pode ser visitada até 15 de outubro e decorre de quarta-feira a domingo, das 10h30 às 20h00. “Os preços são muito acessíveis, temos em conta que com a crise económica o poder de compra baixou”, confessa. Os preços variam entram os cindo e nove euros, mas a entrada para crianças até aos cinco anos é gratuita.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.