Tempo
|
A+ / A-

PSP trava motim de migrantes no aeroporto do Porto

14 ago, 2020 - 00:13 • Redação

Segundo o JN, os tumultos aconteceram depois de o grupo ter sido notificado da decisão judicial que os obriga a permanecer mais 30 dias nas instalações do SEF.

A+ / A-

Onze migrantes de nacionalidade marroquina foram detidos esta quinta-feira, depois de terem protagonizado um motim que causou estragos avultados no Centro de Instalação Temporária (CIT) existente no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto. A informação foi avançada pelo Jornal de Notícias e confirmada à RTP pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Segundo o jornal, os tumultos aconteceram depois de o grupo ter sido notificado da decisão judicial que os obriga a permanecer mais 30 dias naquelas instalações do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Os desacatos terão obrigado à intervenção do Corpo de Intervenção da Unidade Especial de Polícia.

Contactada pela Renascença, a PSP não adianta mais informações, remetendo qualquer esclarecimento para o SEF que, citado pela agência Lusa na sexta-feira de manhã, indica que a decisão de permanecerem ali mais 30 dias foi tomada pelo Tribunal de Loulé, “enquanto se aguarda autorização das autoridades marroquinas para execução do seu afastamento, atentos os constrangimentos vigentes face ao contexto de combate à pandemia de Covid-19”.

“Recorda-se que três cidadãos deste grupo já se haviam evadido daquele espaço no passado dia 3 de julho, tendo sido localizados no próprio dia e ali reinstalados”, acrescentou o SEF, sublinhando que está “a acompanhar a situação, em conjunto com a Polícia de Segurança Pública”.

Os migrantes fazem parte do grupo intercetado no dia 15 de junho pela Polícia Marítima numa praia de Loulé, no Algarve. São oriundos do Norte de África e foram intercetados quando se preparavam para desembarcar na Praia de Vale do Lobo.

Na altura, os 22 ocupantes da embarcação disseram às autoridades portuguesas ser marroquinos e explicaram que tinham partido da cidade de El-Jadida, em Marrocos.


[Notícia atualizada às 11h00 de sexta-feira, dia 14 de Agosto]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Carlos rodrigues
    29 out, 2020 Matosinhos 04:13
    Realmenta ha muitos estrangeiros no nosso pais que tem comportamentos inademissiveis... Eu proprio ja testemunhei em locais de trabalho e nas ruas... Criticam nos ofendem nos e nao tem respeito nenhum por nos! Penssam que os portugueses sao obrigados a os servir a eles... Regua pezada...
  • Observador
    14 ago, 2020 Portugal 19:38
    Se não gostam de estar no Centro de Instalação Temporária (CIT), arranjam-se outras instalações. Que tal um campo de trabalhos forçados, para indemnizarem este País da despesa que já teve com eles? Dão despesa, destroem propriedade portuguesa, obrigam a mobilizar meios para os vigiar... de que está o Tribunal de Loulé à espera para dar a ordem de deportação?
  • António Ferreira
    14 ago, 2020 19:20
    Isto é surreal... vêm pedir ajuda e começam logo por partir tudo... deveriam pensar que ao contrário de centenas de sem abrigo portugueses, eles já têm uma cama para dormir. E que tal mais humildade e respeito pelo nosso país...senhores refugiados !