Tempo
|
João Ferreira do Amaral
Opinião de João Ferreira do Amaral
A+ / A-

O veto presidencial

14 ago, 2020 • Opinião de João Ferreira do Amaral


O nosso regime democrático tem tido, felizmente, muitos sucessos. Mas também tem registado alguns fracassos. E um deles, porventura dos menos visíveis para a opinião pública - completamente alheada do assunto -, tem sido a forma como o regime, persistentemente, bloqueou o debate das decisões sobre a forma da nossa pertença às instituições europeias.

Merece todo o aplauso o veto do Presidente da República ao diploma sobre o acompanhamento das questões europeias pela Assembleia da República. Merece aplauso pelo acto em si em si próprio e também pela clareza da razão que o justifica. O Presidente constatou, simplesmente, que se o diploma fosse promulgado se reduziriam apenas a dois por ano, no nosso parlamento, em plenário, os debates sobre a União Europeia. Seria certamente inaceitável se tal sucedesse, mas não há surpresa nenhuma nesta tentativa de eliminação das questões europeias do debate público. Vem no seguimento de 35 anos de pertença à CEE, actual União Europeia.

O nosso regime democrático tem tido, felizmente, muitos sucessos. Mas também tem registado alguns fracassos. E um deles, porventura dos menos visíveis para a opinião pública - completamente alheada do assunto -, tem sido a forma como o regime, persistentemente, bloqueou o debate das decisões sobre a forma da nossa pertença às instituições europeias.

Logo desde o início, PS e PSD, por vezes, mas nem sempre, apoiados pelo CDS, monopolizaram as decisões e reduziram a quase zero o debate público sobre a nossa participação na integração europeia. Todos estamos lembrados da ópera bufa em relação a um possível referendo sobre as questões europeias: primeiro, não era possível realizá-lo por que a Constituição não o permitia. Depois, a Constituição foi alterada e o referendo foi prometido para muito breve. Depois, o referendo foi eliminado porque a Alemanha não quis que se realizasse. A seguir vem o Brexit, que só “prova” que os referendos (e já agora os debates públicos) não se devem realizar porque podem dar alguns amargos de boca a quem monopoliza as decisões, etc .

Agora já nem é o referendo. São os próprios debates que estão em causa. É a altura de relembrar que na ausência de debate efectivo e livre as decisões políticas são sempre deficientes, como deficientes - e muito - têm sido as que temos tomado relativamente à Europa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    27 ago, 2020 14:48
    Em Portugal o PS tem vindo a "mexicanizar" a política: é a situação em que determinado partido ou bloco político se transforma na única alternativa de poder (por analogia com a situação de hegemonia política exercida no México pelo Partido Revolucionário Institucional durante mais de sete décadas).