|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Hotelaria não está em saldos. "Champions" deverá trazer mais de seis milhões de euros

12 ago, 2020 - 21:46 • Ana Carrilho

Três quartos dos hotéis estão a funcionar, ainda que com menos funcionários, à medida da procura. Os preços baixaram, há promoções e ofertas, mas a presidente da Associação da Hotelaria de Portugal avisa que não há saldos. A realização da fase final da Liga dos Campeões deverá deixar seis a sete milhões na hotelaria de Lisboa, um “balão de oxigénio”.

A+ / A-

Não há adeptos, mas as equipas e respetivas comitivas, organização e os cerca de 400 jornalistas em Lisboa deverão garantir cerca de 6-7 milhões de euros de faturação imediata.

São as contas feitas pela dirigente da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), Cristina Siza Vieira que, no entanto, realça a importância de mostrar o país, a região e a cidade de Lisboa a milhões de pessoas que vão acompanhar os jogos durante quase duas semanas.

A Câmara e o Turismo de Lisboa providenciaram visitas aos profissionais da comunicação social que, com os seus trabalhos, podem despertar o interesse de potenciais turistas para o futuro que se deseja, seja bem próximo.

É que o ano turístico está perdido. Um quarto dos hotéis não abriu nem vai abrir portas até ao fim do ano. Nalguns casos pertencem a grupos hoteleiros que optaram por só ter algumas unidades em funcionamento, “não quer dizer que se esteja a falar em insolvências”, afirma Cristina Siza Vieira à Renascença.

Ainda assim, há milhares de trabalhadores que passaram pelo lay-off simplificado ou estão no lay-off tradicional, com cortes salariais e consequente redução dos rendimentos. Inevitavelmente, haverá despedimentos, admite a responsável associativa.

Há menos procura, os preços baixaram, mas hotelaria não está em saldos

Com poucos turistas estrangeiros devido às contingências provocadas pela COVID-19, o turismo nacional vive, por estes dias, sobretudo da procura dos portugueses. Para atrair mais clientes, os hotéis baixaram os preços: “uns mais do que outros, depende das regiões (o Algarve continua a ser mais solicitada), das categorias dos alojamentos”. Noutros casos, fazem promoções, com ofertas de noites, pequeno almoço ou outros serviços. Ou ajudam a promover outras áreas do turismo local, com a oferta de vouchers par museus e outros equipamentos culturais e recreativos ou mesmo para a restauração.

Mais do que nunca, este ano, as reservas obedecem a três características: preço, marcação em cima da hora e sem hipótese de reembolso em caso de cancelamento.

Notam-se alguns sinais de crescimento na procura que podem ser intensificados se países, como o Reino Unido, tirarem Portugal da lista de países não seguros. Mas para Cristina Siza Vieira é certo que as contas só se poderão fazer no fim do ano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.