Tempo
|
A+ / A-

Papa batiza gémeas siamesas operadas em Roma

11 ago, 2020 - 13:08 • Ângela Roque

Cerimónia “reservada” decorreu na Casa de Santa Marta, onde Francisco reside. Mãe das meninas diz que o gesto do Santo Padre mostra que “Deus está verdadeiramente perto dos últimos”.

A+ / A-

Hermine Nzotto é a mãe das duas gémeas siamesas da República Centro Africana que, no início de junho, foram submetidas a uma delicada operação de separação craniana e cerebral no hospital Bambin Gesù (Menino Jesus) de Roma.

As crianças foram agora batizadas pelo próprio Papa, numa “cerimónia reservada” que teve lugar na Casa de Santa Marta, onde Francisco reside. A mãe das crianças escreveu ao Santo Padre, a agradecer, e a carta foi divulgada esta terça-feira pelo Vaticano.

“Batizar minhas miraculadas Maria e Francisca por Vossa Santidade me dá a confirmação de que Deus está verdadeiramente perto dos últimos”, escreve Hermine, que se apresenta como uma “menina da floresta”, que nasceu a 100 quilómetros da capital Bangui, a cidade onde, em 2015, o Papa iniciou o Jubileu da Misericórdia, ao abrir a porta santa da catedral.

“Amanhã minhas filhas poderão estar entre as crianças mais sortudas do mundo, ir à escola e aprender o que eu ignoro e que agora também eu aspiro saber, para ser capaz de ler os versículos da Bíblia para minhas filhas. Então não foi uma porta Santa que o senhor abriu em Bangui, em 2015, e que foi fechada um ano depois, mas construiu uma ponte para a eternidade onde os necessitados, como eu fui, podem atravessar”, lê-se ainda na carta.

“Vossa Santidade sabe do que é que o mundo precisa.”

Na carta, Hermine Nzotto agradece repetidamente aos médicos do Hospital Bambin Gesù, desde a presidente do Hospital pediátrico, ao responsável pelo departamento de Neurocirurgia, cuja equipa “milagrosamente separou e ressuscitou” as suas filhas.

“A oração”, acrescenta, “é o que pode unir os povos da terra; rezarei a Maria pelo senhor, mas não preciso pedir-lhe igualmente, porque quem, como Vossa Santidade, desafiou o perigo das picadas de mosquitos e a rebelião de 2015 na República Centro-Africana, sabe pedir a Maria aquilo de que o mundo precisa.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.