Tempo
|
A+ / A-

Vaticano: Papa pede fim de "medos e preconceitos" em relação aos migrantes

10 ago, 2020 - 13:00 • Ecclesia

Vídeo prepara celebração do 106.º Dia Mundial do Migrante e do Refugiado

A+ / A-

O Papa apela ao fim de “medos e preconceitos” em relação aos migrantes, num vídeo divulgado pelo Vaticano na preparação do 106.º Dia Mundial do Migrante e do Refugiado, que se assinala a 27 de setembro.

“Medos e preconceitos, tantos preconceitos, mantêm-nos afastados dos outros e muitas vezes nos impedem de nos aproximarmos de Jesus Cristo e de o servirmos com amor”, refere Francisco.

A campanha de comunicação da Secção Migrantes e Refugiados do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral (Santa Sé) apresenta neste vídeo o testemunho de Tijan, da Serra Leoa, que aos seis anos de idade se tornou um deslocado.

A Igreja Católica em Portugal está a promover até domingo a Semana Nacional de Migrações, inspirada pela mensagem do Papa Francisco, ‘Forçados, como Jesus Cristo a Fugir’, procurando apresentar “testemunhos de vida” sobre a realidade das deslocações forçadas, por causa da pobreza ou da guerra.

A Obra Católica Portuguesa de Migrações, inspirada pela mensagem pontifícia para este ano, propõe uma dinamização em torno da conjugação de verbos, que se constituem em seis subtemas: “Conhecer para compreender; aproximar-se para servir; ouvir para se reconciliar; compartilhar e assim crescer; envolver para promover; colaborar para construir”.

A Secção ‘Migrantes e Refugiados’ do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral é responsável pela preparação desta celebração, antecedida por uma campanha de comunicação, atualmente em curso.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.