Tempo
|
A+ / A-

Aveiro

Aveiro. PJ deteve suspeito de abuso sexual de menores que atuava no Instagram

10 ago, 2020 - 15:11

O suspeito foi presente a primeiro interrogatório judicial e tem agora que se apresentar duas vezes por semana no posto policial da área de residência, estando ainda proibido de contactar com a vítima.

A+ / A-

A Polícia Judiciária (PJ) de Aveiro deteve um homem de 26 anos, suspeito de ter seduzido um rapaz de 13 anos a enviar-lhe fotos íntimas e a filmar-se desnudado, informou esta segunda-feira aquele órgão de polícia criminal.

Em comunicado, a PJ refere que o indivíduo, residente num concelho do Norte do país, foi detido pela prática dos crimes de abuso sexual de crianças e de pornografia de menores agravado.

Segundo os investigadores, o suspeito conheceu a vítima, residente na zona de Aveiro, através da rede social Instagram, tendo inicialmente "trocado com ele conversas de natureza sexual”.

“Depois, usando a aplicação 'WhatsApp', enviou-lhe vídeos de cariz sexual, instando o jovem a enviar-lhe fotos íntimas e a filmar-se desnudado, usando o telemóvel para esse efeito”, refere a mesma nota.

Ainda de acordo com a PJ, o detido, sem ocupação profissional definida, “apresenta propensão para comportamentos predatórios, desenvolvidos nas redes sociais”, tendo já antecedentes criminais da mesma natureza.

O suspeito foi presente a primeiro interrogatório judicial, tendo-lhe sido aplicadas as medidas de coação de apresentações bissemanais no posto policial da área de residência, proibição de contactos com a vítima por qualquer meio e proibição de aceder à Internet.

A PJ refere ainda que a investigação vai prosseguir no sentido de determinar a verdadeira extensão da atividade delituosa do detido.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.