Tempo
|
A+ / A-

Explosões em Beirute. Cai o Governo do Líbano

10 ago, 2020 - 16:03 • Redação com Lusa

O primeiro-ministro vai entregar pedido de demissão ao Presidente Aoun ainda esta segunda-feira, face ao "terramoto" político e social provocado pelas explosões em Beirute.

A+ / A-

O primeiro-ministro libanês, Hassan Diab, vai entregar ainda esta segunda-feira ao Presidente Michel Aoun a demissão do Governo, avançou o ministro da Saúde do Líbano, Hamad Hassan.

Falando aos jornalistas após uma reunião do executivo, Hamad Hassan disse que todos os membros do Governo apresentaram a demissão.

Hamad Hassan acrescentou que Diab vai dirigir-se ao Palácio Presidencial para “entregar a resignação, em nome de todos os ministros”.

A informação foi confirmada pelo próprio chefe do Governo ao final do dia. “Hoje anuncio a demissão deste governo”, disse Diab dirigindo-se aos libaneses num discurso transmitido pela televisão.

Diab critica a “corrupção” que, na sua opinião, levou “a este terramoto que atingiu o país, com todas as suas consequências humanitárias, sociais e económicas”.

“A catástrofe que atingiu os libaneses (…) aconteceu devido à corrupção endémica na política, na administração e no Estado”, disse o primeiro-ministro. “Descobri que a corrupção institucionalizada era mais forte que o Estado”, adiantou Diab, um professor universitário que formou o seu governo em janeiro.

A demissão do executivo está relacionada com as explosões no passado dia 4 de agosto no porto de Beirute, que provocaram pelo menos 160 mortos e cerca de 6 mil feridos, e ainda na sequência das acusações de corrupção que levaram a uma crise económica sem precedentes e também à má gestão da pandemia de Covid-19.

Até esta segunda-feira, tinham já pedido a demissão quatro ministros do executivo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.