Tempo
|
A+ / A-

Acidentes aéreos

Índia. Avião com 191 passageiros a bordo despenha-se no aeroporto de Calecute, há pelo menos 17 mortos

07 ago, 2020 - 16:20 • Redação

Aparelho da Air India Express, um Boeing 737-800, tinha partido do Dubai. Segundo alguns jornais indianos, o piloto e outros 13 passageiros morreram, contabilizando-se ainda 123 feridos.

A+ / A-

Um Boeing 737-800 da Air India Express despenhou-se esta sexta-feira no aeroporto de Calecute, no Estado de Querala, no sul da Índia. A notícia foi avançada pela agência Reuters, que cita canais de televisão do país. A bordo do aparelho, proveniente do Dubai, seguiam 191 passageiros.

Segundo a polícia de Kondotty, citada pelo "The Times of India", a aeronave terá "derrapado" no momento da aterragem, pelas 19h45 locais (14h15 em Lisboa), no aeroporto.

De acordo com o jornal "Indian Express", a fuselagem do avião da Air India Express ter-se-á partido em dois. O mesmo jornal indica que "várias pessoas ficaram feridas", num total de 123, havendo ainda 17 mortes (o piloto e outros 16 passageiros) a registar, números confirmados por K. T. Jaleel, ministro do governo do Estado de Querala.

O avião fazia um serviço de repatriamento de trabalhadores indianos que estavam retidos no Dubai por causa da Covid-19.

A Direcção-Geral da Aviação Civil indiana refere que “a aeronave ultrapassou a pista e caiu num vale". A mesma autoridade refere que "existem alguns sobreviventes", não adiantando, por ora, o número exato de mortos e feridos.

Várias carrinhas dos bombeiros e ambulâncias já acorreram ao local do acidente.

Na rede social Twitter, o ministro indiano do Interior, Amit Shah, declarou-se "perturbado com o trágico acidente" da Air India Express, tendo dado instruções à Força Nacional de Resposta a Desastres (NDRF) para "chegar ao local o mais rápido possível e ajudar nas operações de resgate".

[Notícia atualizada às 22h40]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.