Tempo
|
A+ / A-

Papa Francisco apela ao desarmamento nuclear nos 75 anos de Hiroshima

06 ago, 2020 - 13:35 • Lusa

O Papa argentino recordou que, em novembro do ano passado, teve “o privilégio de poder ir pessoalmente às cidades de Hiroshima e Nagasaki”.

A+ / A-

O Papa Francisco apelou, esta quinta-feira, ao desarmamento, defendendo que, para conseguir a paz, é necessário que todos os povos deponham as armas de guerra, “em especial as mais poderosas e destrutivas: as armas nucleares”.

No dia em que se assinalam os 75 anos do bombardeamento nuclear de Hiroshima, o chefe da Igreja Católica enviou uma mensagem ao governador daquela cidade japonesa, Hidehiko Yuzaki, saudando em especial os sobreviventes da tragédia, que provocou a morte de milhares de pessoas.

Na mensagem, citada pela agência de notícias EFE, o Papa argentino recordou que, em novembro do ano passado, teve “o privilégio de poder ir pessoalmente às cidades de Hiroshima e Nagasaki”, onde pôde refletir sobre "a destruição da vida humana e a destruição provocada nessas cidades durante esses dias terríveis da guerra, que aconteceu há três quartos de século”.


Os sinos dobraram esta manhã em Hiroshima. Ouça aqui as memórias de Hiroshima, 75 anos depois, contadas pelo jornalista Pedro Mesquita:


Para Francisco, “nunca esteve tão claro que, para que a paz floresça, é necessário que todos os povos deponham as armas de guerra, em especial as mais poderosas e destrutivas: as armas nucleares que podem paralisar e destruir cidades inteiras, países inteiros”.

75 anos de Hiroshima. Autarca assinala cerimónia com apelo à proibição de armas nucleares
75 anos de Hiroshima. Autarca assinala cerimónia com apelo à proibição de armas nucleares

Há precisamente 75 anos, em Hiroshima, foi lançada a primeira bomba atómica em cenário de guerra, pelo bombardeiro norte-americano Enola Gay, que provocou a morte a cerca de 140 mil pessoas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.