Tempo
|
A+ / A-

Líbano

Destruição. Como era e como ficou Beirute vista do Espaço

05 ago, 2020 - 20:00 • Redação

A explosão de milhares de toneladas de nitrato de amónio que chegaram ao porto de Beirute há já seis anos deixaram um rastro de destruição e mortes que os governantes compararam a desastres como o de Hiroshima e de Nagasaki.

A+ / A-

O presidente da Câmara de Beirute diz que a cidade, em escombros, é hoje uma “zona de guerra”. O primeiro-ministro Hassan Diab compara a destruição à de Hiroshima e de Nagasaki. A forte explosão no porto de Beirute, na tarde de terça-feira, causou já 135 mortos, cerca de cinco mil feridos e dezenas, até ver, permaneceram desaparecidos.

A agência privada norte-americana Planet Labs disponibilizou à Renascença imagens de satélite da capital do Líbano antes e logo após a explosão, imagens que demonstram a destruição total ou parcial de vários edifícios.

Hassan Diab prometeu logo na terça-feira: “Esta esta catástrofe não passará incólume”. Entretanto, os responsáveis do porto foram prisão domiciliária a número indeterminado de responsáveis do porto de Beirute enquanto decorrer a investigação que procura determinar como é que 2.750 toneladas de nitrato de amónio, um material altamente combustível, puderam estar armazenadas durante anos no local.

No entanto, e segundo noticia o “New York Times”, as autoridades libanesas já sabiam do perigo que representaria o armazenamento de milhares de toneladas de nitrato de amónio, um carregamento que chegou à cidade de Beirute a bordo de um navio cargueiro russo há já seis anos.

Sabiam, mas não agiram. Ainda segundo o periódico norte-americano, entre 2014 e 2017 as autoridades aduaneiras libanesas escreveram cartas aos tribunais pelo menos seis vezes, procurando orientação para saber como descartar aquele material altamente combustível, missivas a que as autoridades judiciárias nunca responderam.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Desabafo Assim
    08 ago, 2020 11:19
    Fotografia de uma mão sem anéis.
  • Ivo Pestana
    06 ago, 2020 Funchal 18:26
    Autoridades quando não atuam, são otários e criminosos.
  • Paulo Fernandes
    06 ago, 2020 Montijo 13:08
    Milhares de toneladas???