Tempo
|
A+ / A-

Covid-19: Quase metade dos alojamentos turísticos encerrados ou sem hóspedes em junho

03 ago, 2020 - 12:18 • Lusa

Dados são do INE.

A+ / A-

Quase metade (45,2%) dos estabelecimentos de alojamento turístico terão estado encerrados ou não registaram movimento de hóspedes em junho, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE).

"De acordo com os resultados de um questionário específico adicional que o INE promoveu durante os meses de junho e julho, 62,6% dos estabelecimentos de alojamento turístico respondentes (representando 78,6% da capacidade de oferta) assinalaram que a pandemia covid-19 motivou o cancelamento de reservas agendadas para os meses de junho a outubro de 2020, maioritariamente dos mercados nacional e espanhol", salienta.

A maioria dos estabelecimentos que previam estar em atividade entre junho e outubro contavam registar "taxas de ocupação inferiores a 50% em cada um desses meses".

De acordo com o INE, mais de metade (57%) dos estabelecimentos turísticos não prevê alterar os preços praticados face ao ano anterior, enquanto cerca de um terço (34,9%) admite vir a reduzir os preços, "encontrando-se maioritariamente localizados na Área Metropolitana de Lisboa e no Algarve (58,8% e 54,5% dos estabelecimentos, respetivamente)".

O INE colocou aos estabelecimentos de alojamento turístico novas questões visando avaliar o impacto da atual pandemia covid-19 na sua atividade, nomeadamente quanto às reservas e cancelamentos no período de junho a outubro de 2020, por principais mercados, expetativas sobre qual a ocupação para estes meses, política de preços e quais as medidas adotadas com possível impacto na redução da capacidade oferecida pelos estabelecimentos, tendo obtido cerca de 3.900 respostas válidas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    03 ago, 2020 évora 20:49
    Pois é , cerca de 99% foram financiados a fundo perdido pelos estrageiros dessa Europa ainda deu para comprar Volvos e Mercedes de topo de gama . Compram uma garrafa de vinho por 2 euros e a metem na ementa por 20 euros ... param 1 mês e fecham portas . Por isso o Reino Unido abandonou os parasitas e donos de sacos azuis da EU .