|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Banco de Espanha defende reformas "urgentes" para enfrentar desafios estruturais

02 ago, 2020 - 14:20 • Lusa

Pablo Hernández de Cos reconhece que economia entrou numa fase de reativação gradual, mas é preciso minimizar os riscos provocados por novos surtos.

A+ / A-

O governador do Banco de Espanha considera que a economia, depois de uma recessão sem precedentes, atravessa uma recuperação gradual, embora incompleta e desigual, e defende "urgentemente" um programa de reformas que enfrente os desafios estruturais.

Num artigo publicado no site oficial do Banco de Espanha, Pablo Hernández de Cos explica que, ainda que a economia tenha entrado numa fase de reativação gradual, minimizar os riscos de novos surtos está a exigir a manutenção de medidas que condicionam a atividade de uma forma desigual.

Além disso, a incerteza mantém-se elevada, o que afeta negativamente o consumo e o investimento.

Como resultado, o nível de atividade continua significativamente inferior ao observado antes da crise, adiantando que em breve pode começar a registar-se "alguns danos persistentes no tecido produtivo e a observar-se mudanças estruturais geradas pela pandemia", adverte.

Neste cenário, a política económica deve combinar os objetivos, que são apoiar a recuperação - o que aconselha evitar a retirada prematura das medidas de apoio - e facilitar o ajustar da economia ao cenário que emerge da pandemia.

Sobre a política monetária, sublinha que o Banco Central Europeu (BCE) reiterou o compromisso de fazer o que seja necessário para apoiar a economia e está preparado para ajustar os instrumentos se for necessário.

No que respeita ao acordo do Conselho Europeu para criar um fundo de recuperação, considerou satisfatório.

Espanha regista 28.455 óbitos e mais de 288 mil infeções pelo novo coronavírus. Há ainda a assinalar que cerca de 150 mil pacientes recuperaram da doença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.