|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Austrália. Estado de Victória declara estado de calamidade

02 ago, 2020 - 09:18

Autoridades decretaram o recolhimento obrigatório de forma a controlar as movimentações e diminuir o risco de contágio.

A+ / A-

O estado de Victoria, o segundo mais populoso da Austrália, declarou o estado de calamidade e impôs novas restrições após um aumento do número de casos de Covid-19.

As autoridades decretaram o recolhimento obrigatório, das 20h00 às 05h00, para tentar controlar as movimentações e diminuir o risco de contágio. As únicas razões para sair de casa durante estas horas vão ser o trabalho ou cuidados médicos.

Além disso, a população não pode viajar a mais de cinco quilómetros de casa, o exercício físico está condicionado a uma vez por dia e apenas uma pessoa pode fazer compras de bens essenciais de cada vez.

Já os restaurantes, cafés, bares e ginásios vão fechar à meia-noite.

A partir de quarta-feira, as escolas vão iniciar o ensino à distância.

Neste domingo, o estado regista 671 novos casos de coronavírus e sete mortes. No total, são mais de 11. 500 pessoas infetadas e 120 vítimas mortais.

A pandemia já provocou mais de 680 mil mortos e infetou mais de 17,6 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo o último balanço feito pela agência de notícias France-Presse (AFP).

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.