|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Morreu o historiador Joaquim Veríssimo Serrão

01 ago, 2020 - 01:52 • Lusa

A notícia foi confirmada pelo seu filho, Vítor Serrão. O historiador morreu na sexta-feira, dia 31 de julho.

A+ / A-

O historiador Joaquim Veríssimo Serrão, de 95 anos, morreu na sexta-feira à noite num lar em Santarém, disse este sábado à agência Lusa o seu filho Vítor Serrão.

“O meu pai, que estava doente há vários anos, foi um eminente historiador, pedagogo, investigador e académico que deixa uma obra monumental, como a História de Portugal da Editorial Verbo, que contribuiu para renovar a historiografia em Portugal e a formar muitos jovens investigadores”, afirmou Vítor Serrão.

Segundo Vítor Serrão, o legado que fica da obra do pai, “além da abundante bibliografia, é, justamente, a marca pedagógica, porque formou uma quantidade de alunos, incluindo futuros investigadores, arquivistas, gente ligada à Cultura, que teve o privilégio de conviver com o magistério do meu pai”.

Joaquim Veríssimo Serrão nasceu em Tremês, no Ribatejo, a 8 de julho de 1925, e deixa dois filhos, Vítor e Adriana, ambos docentes na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

“Nas mensagens que me foram transmitas é de destacar o elogio unânime de quem o teve como professor e com ele aprendeu a amar a História”, adiantou Vítor Serrão, destacando que a obra do pai “estende-se além-fronteiras e contribuiu para destacar o perfil da História de Portugal no contexto ibero-americano e no contexto geral da Europa”.

Na sua página na rede social Facebook, Vítor Serrão escreveu: “Porque não encontro as palavras certas para exprimir o sentimento da perda e a dor da ausência, limito-me a partilhar a notícia da morte de meu Pai, Prof. Joaquim Veríssimo Serrão (1925-2020), historiador, ensaísta, académico e homem de cultura, que ocorreu em Santarém no final do dia de hoje, 31 de julho, uma sexta-feira de tão triste memória…”.

Marcelo lamenta morte de "amigo de muitos anos"

O Presidente da República lamentou, este sábado, a morte do historiador Joaquim Veríssimo Serrão, recordando um "amigo de muitos anos", que deixou "numerosos discípulos".

"O Presidente da República apresenta condolências à família do professor doutor Joaquim Veríssimo Serrão, historiador, professor e académico ilustre, antigo Reitor da Universidade de Lisboa", lê-se numa nota divulgada no site da Presidência da República.

Na nota, Marcelo Rebelo de Sousa lembra que "deixou numerosos discípulos, em particular na Academia Portuguesa de História, de que foi presidente".

O historiador Joaquim Veríssimo Serrão, de 95 anos, foi autor de uma vasta obra historiográfica.

O foco da investigação histórica de Veríssimo Serrão foi a participação dos humanistas portugueses na cultura europeia do século XVI, a história local, com particular atenção por Santarém, concelho de onde era natural, a formação do Brasil, a questão epistemológica da historiografia portuguesa, alguns personagens que se destacaram na vida política portuguesa nas últimas décadas do Antigo Regime (século XVIII) e o início do Liberalismo (século XIX).

Funeral realiza-se na próxima segunda-feira

O funeral do historiador Joaquim Veríssimo Serrão realiza-se na segunda-feira, em Santarém, disse à Lusa uma fonte da família, este sábado.

De acordo com a mesma fonte, o velório do historiador irá decorrer a partir das 09h30, na igreja da Piedade de Santarém, com missa de corpo presente às 10h00.
O funeral de Joaquim Veríssimo Serrão realizar-se-á às 11h30, no cemitério de Santarém, mas será reservado a familiares, devido às regras em vigor devido à pandemia da Covid-19.


[Notícia atualizada às 17h15]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.