|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Gaia. Mulher que asfixiou a mãe fica em prisão preventiva

01 ago, 2020 - 15:35 • Redação

A mulher, de 48 anos, entregou-se às autoridades 15 dias depois de ter cometido o crime.

A+ / A-

Fica em prisão preventiva a mulher de 48 anos que asfixiou a mãe até à morte, em Vilar de Andorinho, Vila Nova de Gaia.

A mulher foi presente a primeiro interrogatório judicial a um juiz de instrução criminal, este sábado, tendo-lhe sido aplicada a medida de coação mais gravosa.

A Polícia Judiciária (PJ) deteve a suspeita na sexta-feira, após a arguida se ter entregado às autoridades, 15 dias depois do crime. A detida está indiciada pelo crime de homicídio qualificado.

Em comunicado emitido na sexta-feira, a Diretoria do Norte da PJ diz que o crime terá ocorrido na tarde de 14 de julho, "na sequência de mais uma discussão entre a arguida e a sua mãe", acrescentando que a filha tinha regressado à casa da progenitora, no concelho de Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, em março deste ano.

"O relacionamento entre mãe e filha sempre foi marcado por conflitos, sendo que em data prévia ao homicídio, a arguida terá causado a queda daquela, cuja locomoção ficou limitada desde então. Naquela tarde [de 14 de julho], após nova discussão, terá acabado por asfixiar a progenitora", explica a PJ.

Desde o dia dos factos, refere ainda o comunicado, a arguida "pernoitou em vários hotéis e pensões, efetuando levantamentos e pagamentos com os cartões bancários da sua mãe, até que na quinta-feira se apresentou às autoridades".

A detida encontrava-se desempregada e tinha antecedentes criminais por ofensas à integridade física e peculato (crime que consiste no desvio ou no roubo de dinheiros públicos).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.