Tempo
|
A+ / A-

Queda do PIB. Siza Vieira admite rever previsões do Orçamento Suplementar

31 jul, 2020 - 12:30 • Carla Caixinha

Ministro da Economia diz a quebra de 16,5% do PIB, no segundo trimestre, “confirma o que já se sabia”.

A+ / A-

O ministro da Economia diz que a queda do PIB confirma o que já se sabia, admitindo que face aos números do INE é preciso repensar as projeções que estão no Orçamento Suplementar.

“É uma quebra de PIB que confirma aquilo que já se sabia, que nós tivemos nos meses de abril e maio uma queda muito acentuada da atividade económica, com uma quebra muito acentuada do consumo privado, uma quebra do investimento, mas sobretudo uma grande quebra das exportações. São estes fatores, sobretudo a queda das exportações que explicam a queda do PIB no segundo trimestre”, disse Siza Vieira aos jornalistas.

“Obviamente estes números vão obrigar a refletir sobre as previsões do Orçamento Suplementar”, avançou o ministro em declarações transmitidas pela SIC Notícias.

De acordo com os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), o PIB caiu 16,5% no segundo trimestre do ano face ao mesmo período de 2019, e 14,1% em cadeia - relativamente ao primeiro trimestre do ano -, devido aos efeitos económicos da pandemia de Covid-19.

Graça Franco: “O mundo parou e o turismo perdeu-se para todo este ano”
Graça Franco: “O mundo parou e o turismo perdeu-se para todo este ano”

Segundo o ministro, os dados mostram que em junho a economia teve uma ligeiríssima recuperação. “Depois da quebra muito grande em abril e maio já estamos a ter alguma recuperação: as vendas aumentaram, as exportações aumentaram, as compras com Multibanco aumentam e as deslocações também aumentaram. A partir deste trimestre vamos assistir a um crescimento do produto”, sublinha.

Nesta intervenção, o ministro afirma ser provável que algumas empresas não consigam aguentar e, que por isso, haja um crescimento de insolvências e do desemprego. “É lamentável, mas expectável face à dimensão da quebra que tivemos no trimestre anterior. O mais importante é criar as condições para que a partir daqui tenhamos uma recuperação da atividade económica.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.