|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Processo contra ex-gestores da CGD está a seguir os seus trâmites

31 jul, 2020 - 21:14 • Lusa

Paulo Macedo recusou-se a explicar o conteúdo das propostas que foram feitas às “autoridades competentes”.

A+ / A-

O presidente executivo da CGD disse esta sexta-feira que o dossiê relativo a eventuais processos contra ex-gestores está a seguir o seu caminho e que foram feitas propostas às "autoridades competentes", mas sem explicar o conteúdo dessas propostas.

Há um ano, em 30 de julho de 2019, Macedo tinha dito que ainda iriam demorar algum tempo eventuais processos do banco público contra ex-gestores, relativamente a operações aprovadas que se revelaram ruinosas para o banco.

O gestor explicou, então, que este é um tema complexo, que inclui análise jurídica dos casos, análise financeira, análise de informação sobre processos-crime e sobre contraordenações e contraditório (para as pessoas em causa se poderem defender) até o banco poder apresentar propostas de responsabilização ao acionista (o Governo, em nome do Estado).

A Caixa "não é um órgão de justiça criminal, não é juiz. Fará o seu trabalho, mas não por causa de uma notícia sair no jornal", disse então Macedo.

Questionado hoje, na conferência de imprensa de apresentação dos resultados semestrais, sobre o estado desse processo, o gestor disse que a CGD fez "as notificações judiciais avulsas que entendeu e propostas às autoridades competentes".

"Tanto quanto sabemos fizeram o seu caminho e está a seguir os seus trâmites, não ficou parado de certeza", acrescentou apenas Macedo, sem dar mais detalhes sobre o tema.

A Caixa Geral de Depósitos divulgou esta sexta-feira lucros de 249 milhões de euros no primeiro semestre, uma diminuição de 41% face ao mesmo período do ano anterior, tendo constituído 156 milhões de euros de imparidades.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.