|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Entrevista a Jorge Moreira da Silva

Mais 500 milhões de pobres. Países em desenvolvimento enfrentam “tempestade perfeita”

29 jul, 2020 - 18:06 • Pedro Mesquita , com redação

Diretor-geral de Desenvolvimento e Cooperação da OCDE considera que os países ricos têm a obrigação ética e moral de ajudar as nações em vias de desenvolvimento a evitar uma catástrofe com ondas de choque à escala do planeta. "Este é o momento da verdade", alerta.

A+ / A-
Jorge Moreira da Silva entrevistado por Pedro Mesquita
Jorge Moreira da Silva entrevistado por Pedro Mesquita
Ouça aqui a entrevista a Jorge Moreira da Silva

Veja também:


Os países em vias de desenvolvimento enfrentam uma “tempestade quase perfeita”, por causa da pandemia de Covid-19, e o mundo pode chegar ao fim do ano com mais 500 milhões de pobres. O alerta é deixado em entrevista à Renascença por Jorge Moreira da Silva, diretor-geral de Desenvolvimento e Cooperação da OCDE.

“Estamos perante um risco muito sério da pobreza à escala global. Estamos perante a circunstância de, até ao final do ano, temos 500 milhões de novos pobres, dos quais 130 milhões em situação de pobreza extrema”, afirma o antigo ministro do Ambiente.

É a primeira vez em mais de três décadas em que o mundo enfrenta “um aumento da pobreza” e os países em vias de desenvolvimento “estão num contexto de uma tempestade quase perfeita”.

Jorge Moreira da Silva explica que, por um lado, estas nações mais pobres estão a receber menos investimento e ajudas dos países mais ricos por causa da crise mundial e, por outro, arrecadam menos receitas devido à descida do preço das matérias-primas, como o petróleo.

“Estes países estão perante a iminência de uma quebra de 700 mil milhões de dólares em fluxos financeiros, este ano, muito em função da quebra de investimento direto estrangeiro, do turismo, da quebra do comércio externo”, sustenta.

O diretor-geral de Desenvolvimento e Cooperação da OCDE recorda que o mundo é feito de interdependências e que, na altura da crise financeira de 2009, foi importante para as empresas portuguesas exportar para os países em vias de desenvolvimento.

“Não haverá crescimento a nível global, incluindo em Portugal e na OCDE, se não houver crescimento também nos países em vias de desenvolvimento”, sublinha Jorge Moreira da Silva.

Apoiar os países em vias de desenvolvimento é fundamental, por razões éticas e morais, defende o responsável, mas também por interesse dos países do Norte.

“Se não houver um apoio a estes países a pandemia não será debelada, mas também precisamos de os apoiar na recuperação da crise, porque é do nosso próprio interesse”, argumenta o responsável da OCDE, que fala “num momento da verdade”.

“Todos nos recordamos, há algumas décadas, do Live Aid, de várias iniciativas quando alguns países africanos estavam a passar por uma crise alimentar e de pobreza muito grande. Isto agora não é num país, não é num continente. É à escala global. Espero que os países da OCDE possam desenvolver iniciativas muito rápidas de apoio aos países em vias de desenvolvimento, nomeadamente o perdão da dívida”, defende Jorge Moreira da Silva.

Nesta entrevista à Renascença, o diretor-geral de Desenvolvimento e Cooperação da OCDE deixa um número paradigmático da situação atual de divisão: “nas últimas semanas, os países mais ricos arranjaram maneira de mobilizar 11 biliões de dólares de pacotes financeiros para estímulo às suas economias, a ajuda pública ao desenvolvimento é de 70 vezes menos”.

UNICEF. 54 milhões de crianças desnutridas podem morrer nos próximos meses devido à pandemia
UNICEF. 54 milhões de crianças desnutridas podem morrer nos próximos meses devido à pandemia
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    31 jul, 2020 Funchal 14:28
    Em vez de irem para Marte, ajudem os pobres com esses milhões. Cambada de loucos, visitar um planeta, que é inabitável, só rocha e areia. Não entendo, estas prioridades humanas.