Tempo
|
A+ / A-

NOS, Altice e Vodafone não usam Huawei na rede "core" 5G, apesar de Governo não banir operadora chinesa

30 jul, 2020 - 13:00 • Sofia Freitas Moreira , João Carlos Malta com Reuters

As três grandes empresas de telecomunicações de Portugal vão excluir a tecnologia Huawei das redes de telemóvel 5G, apesar de o Governo não ter banido a empresa chinesa das infraestruturas do país.

A+ / A-
O futuro é do 5G? O que sabemos sobre a 5.ª geração de internet móvel
O futuro é do 5G? O que sabemos sobre a 5.ª geração de internet móvel

A NOS, a Altice e a Vodafone, os três gigantes das telecomunicações em Portugal, mantêm a exclusão da Huawei na implementação das suas redes "core" de 5G. As telecoms confirmam a decisão esta quinta-feira, apesar de o Governo português não banir a empresa chinesa das suas infraestruturas. Em alguns países europeus, o colosso chinês está proibido de atuar na introdução da nova tecnologia.

A rede "core" das redes de quinta geração móvel é responsável pelas funções de gestão de sessões (como atribuição dos endereços IP aos equipamentos conectados), pelos processos de autenticação e autorização de acesso à rede. São salas técnicas em que estão servidores, gateways e routers. Nas redes ‘rádio’ encontram-se as antenas e estações instalados em postes e telhados.

À semelhança de vários países europeus, Portugal está a preparar um leilão do espectro de 5G, no meio de uma intensa pressão diplomática dos EUA para que proíba a Huawei de entrar nestas novas redes de telecom da nova geração.

A Nos, a Vodafone e a Altice - que juntas têm quase 100% dos clientes de telecoms móveis do país - decidiram não usar tecnologia da Huawei no 'core' das redes 5G. De acordo com um porta-voz da NOS, a empresa "não vai usar tecnologias Huawei nas redes 5G" e vai escolher "os melhores parceiros" para esta implementação.

A Vodafone Portugal avançou com a mesma informação, tal como a Altice Portugal, que já tinha anunciado a decisão em março de 2020, mantendo-a agora. "A Vodafone (casa mãe VOD.L) anunciou que a sua rede core 5G não irá contemplar a Huawei nas suas diferentes operações, pelo que, naturalmente, a Vodafone Portugal não é excepção", referiu uma porta-voz da Vodafone Portugal.

Adiantou que a Vodafone Portugal "tem vindo a trabalhar na preparação da sua rede 5G com o seu parceiro preferencial e histórico Ericsson" ERICb.ST.
O Chief Executive Officer (CEO) da Altice Portugal ATCA.AS, Alexandre Fonseca, já tinha dito em 5 de Março aos jornalistas: "nós não temos a Huawei no core da rede; temos outros fabricantes", não nomeando quais.
Uma porta-voz da Altice Portugal disse que "o processo do 5G em Portugal ainda não está totalmente definido, havendo um conjunto de decisões relevantes a ser tomadas pelas entidades competentes, pelo que deve aguardar por estas para posteriormente se pronunciar" sobre eventuais parceiros.

"Core" com maiores riscos de vigilância

As redes 'core' móveis acarretam maiores riscos de vigilância pois incorporam programas de software mais sofisticados que processam informações confidenciais, como dados pessoais dos clientes.

Washington quer que os seus aliados excluam a Huawei, maior produtora mundial de equipamentos de telecoms, argumentando que o uso do seu 'kit' cria o potencial de espionagem pela China - uma alegação negada sistematicamente pela Huawei e por Pequim.

No entanto, o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, confirmou à Reuters que tinha ouvido que a Huawei seria deixada de parte, acrescentando que a decisão "nada tem a ver com as opções ou imposições do Governo português, que, nesta matéria, se encontra absolutamente alinhado com as orientações europeias".

"A priori, não temos problemas com nenhum dos fabricantes", explicou o ministro, dizendo também que, de acordo com o grupo de trabalho criado pelo Governo para estudar os riscos e as questões de cibersegurança relacionados com a tecnologia 5G, não houve qualquer conclusão que apontasse para problemas com algum fabricante em particular.

Portugal adiou seis meses o leilão do espectro do 5G para Outubro devido à pandemia do coronavírus.
O ministro disse que "não interessa nada ao Governo ter um preço elevadíssimo no leilão do 5G" pois quer que os operadores tenham músculo financeiro para fazerem "significativos investimentos em infraestrutuas estratégicas e críticas".
Na primeira fase, visa cobrir com o 5G zonas industriais, universidades, escolas, principais eixos rodoviários, portos marítimos e depois ir cobrindo o resto do território.

A Huawei contatada pela Renascença afirmou que não comenta a decisão portuguesa e as implicações que terá no negócio em Portugal.

"Não há provas de espionagem pela Huawei"

António Rodrigues, investigador e professor de telecomunicações do IST, explica à Renascença que "não existem provas de que a China, em particular, a Huawei faz espionagem, nem há provas de que não faça, mas há uma grande relutância em empresas muito grandes em abandonar totalmente a hipótese Huawei".

"Neste momento, não me parece justificável, do ponto de visto tecnológico ou técnico, que seja necessário não usar material Huawei pelo facto de haver esse perigo. Isto é uma decisão que caberá aos Governos tomar, é política", remata o investigador.

Este mês, o Governo britânico ordenou as suas operadoras de telemóvel a removerem todo o equipamento da empresa chinesa usado na infraestrutura de telecomunicações 5G, até ao final de 2027.

A decisão foi tomada numa reunião do Conselho de Segurança Nacional presidida pelo primeiro-ministro, Boris Johnson, como resposta a sanções impostas pelos Estados Unidos à Huawei, em maio deste ano.

Para Luís Correia, professor do IST e investigador do INESC e do INOV, "a questão dos perigos e dos ciberataques tem sido um pouco mal entendida."

"Há, de facto, e isso é público e notório, uma guerra comercial entre os Estados Unidos e a China. E como em qualquer guerra, usam-se as armas que estão disponíveis e uma delas, neste momento, é a tecnologia das comunicações móveis, a quinta geração", conclui, em entrevista à Renascença, Luís Correia.

De acordo com um estudo da Oxford Economics, publicado em junho, a restrição da Huawei na rede 5G por Portugal poderá aumentar o custo da construção da rede em 63 milhões de euros por ano.

"O nosso modelo sugere que restringir um participante importante pode aumentar o custo de construção da rede de 5G em 63 milhões de euros por ano na próxima década (19% dos custos base) no nosso cenário central", lê-se no estudo encomendado pela Huawei e que analisa 31 países europeus.

"Um mercado de infraestruturas 5G competitivo ajudaria a maximizar os ganhos da inovação tecnológica e do crescimento em Portugal", em clima de crise económica provocada pela pandemia da Covid-19.

Segundo o estudo os serviços da nova tecnologia poderiam "estimular a atividade económica em 3,7 mil milhões de euros no PIB e apoiar cerca de 127.300 empregos em Portugal".

Um crescimento económico menor por causa de atrasos do desenvolvimento do 5G, associado a um baixo crescimento tecnológico "reduz o PIB entre 100 milhões de euros e 1,1 mil milhões de euros" em 15 anos, considera o estudo.

[notícia editada às 16h23]

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • EuropeAN Citizen
    31 jul, 2020 06:01
    Isto e' uma autentica palhaçada por parte destes americanos - os mais gananciosos no meio disto tudo !.. - que, OBVIAMENTE(!!..), o querem e' deter um autentico monopolio controlador totalitario de todas as nossas comunicaçoes europeias.. ! ..Nao tem nada que enganar relativamente a isto.. !!!.. E' claro que nem 'a china nem aos chineses se deve tambem ser-lhes proporcionado, por sua vez, um grande dominio sobre as nossas infraestruturas tecnologicas nacionais portuguesas..!!!!.. e' claro que nao..!!!!!!.. Mas nunca se esqueçam srs portugueses cidadaos e cidadas mais desatentos..: que o contrario tambem se aplica.. e sendo assim desse mesmo modo, porque razao e' que, por exemplo, a america e os estados unidos sao livres de poderem possuir uma grande fatia dominadora do nosso mercado de infraestrutura de rede 5G, caso eles assim o quisessem e bem entendessem..??.. !!!!!.. Sim, bem se sabe que esse nao e' o caso, mas nunca se esqueçam se assim fosse, ou seja o contrario, e para com eles estados unidos.., AS COISAS nunca seriam nem decorreriam de forma igual..!!!!!!.. nunca..!!!!!!.. Os srs americanos querem e' controlar tudo.., e nunca o admitem transparentemente..!!!!!!!.. Andam constantemente a arrastar e a incluir na guerra que eles teem com os chineses e a china.., todos os restante paises do mundo que nada teem a ver com isso..!!!!!!.. Se repararem hao-de ver que eles sao e teem que ser sempre radicais com a china : banir ou incluir..!!!; maus ou bons..!!!..etc

Destaques V+