Tempo
|
A+ / A-

V. Setúbal queixa-se de tratamento discriminatório

30 jul, 2020 - 21:55 • Redação

Clube está em incumprimento e pode descer ao Campeonato de Portugal.

A+ / A-

O Vitória de Setúbal foi excluído das competições profissionais por não cumprir os requisitos de licenciamento necessários para a nova época. O clube reage queixando-se de tratamento discriminatório.

Em comunicado, os sadinos lembram que outros clubes também têm pagamentos em falta.

“Existem dívidas entre clubes, assumidas em conferências de imprensa, acrescentando-se a isso dívidas também para com o Vitória FC por parte de outras sociedades desportivas. Nenhuma dessas tem, contudo, o tratamento e as consequências idênticas, deixando no ar um clima de impunidade, e, novamente, um tratamento diferenciado”, lê-se no documento assinado pelo presidente do Vitória.

O clube lembra que “apresentou à Autoridade Tributária uma proposta de regularização da sua situação tributária, que, como consta da própria certidão, foi aceite com reserva que não existiria noutra zona do país”.

O Vitória queixa-se também que a Liga portuguesa não aligeirou as regras em tempos de pandemia, ao contrário do que fizeram outros países.

“Enquanto optaram, numa situação excecional, pela redução ou eliminação das exigências dos pressupostos, a nossa Liga adia, mantendo as condições, por 30 dias quando o campeonato se prolongou por dois meses e meio, sobrepondo o final da época desportiva à entrega dos pressupostos financeiros”.

O clube acrescenta que está a trabalhar “no limite” e que vai recorrer a todas as possibilidades legais para reverter a decisão da Liga.

Se o V. Setúbal não regularizar a situação em três dias vai descer diretamente ao Campeonato de Portugal, tal como o D. Aves.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.