|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Covid-19. Madeira prolonga situação de calamidade por mais um mês

28 jul, 2020 - 18:31 • Pedro Mesquita

Noutra medida para conter a doença, passa a ser obrigatório o uso de máscara em todos os espaços públicos da Madeira, incluindo as ruas.

A+ / A-

Veja também:


O governo regional da Madeira prolongou a situação de calamidade por causa da pandemia de Covid-19.

A decisão confirmada à Renascença pelo secretário regional de Saúde e Proteção Civil, Pedro Ramos.

A situação de calamidade vai continuar em vigor, pelo menos, por mais um mês, até 31 de agosto.

Noutra medida para conter a Covid-19, passa a ser obrigatório o uso de máscara em todos os espaços públicos da Madeira, incluindo as ruas.

“Após a abertura das fronteiras, desde 1 de julho, após a contínua chegada à região de passageiros oriundos de países com transmissão comunitária ativa, o governo regional determina o uso obrigatório de máscara comunitária em todos os espaços públicos, isto também se estende às ruas”, disse Pedro Ramos, à Renascença.

O responsável sublinha que “a prioridade tem sido sempre proteger a saúde pública, em primeiro lugar, e em seguida a economia”.

A Madeira passa assim a ser o único território português em que é obrigatório usar máscara nas ruas.

De acordo com o boletim desta terça-feira da Direção-Geral da Saúde (DGS), a Madeira mantém o número de infetados com SARS-Cov-2, que provoca a doença covid-19, em 105.

Portugal regista, esta terça-feira, mais 111 casos confirmados de Covid-19, o número mais baixo desde 11 de maio (98) e que supõe um aumento de 0,2%, a percentagem mais baixa desde o início da pandemia.

No total, contam-se 1.722 mortes (mais três que na segunda-feira) e 50.410 casos (mais 111) confirmados de infeção com o novo coronavírus, de acordo com o boletim diário da DGS.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.