Tempo
|
A+ / A-

​Diretor-geral de Veterinária demite-se após morte de animais em canil de Santo Tirso

28 jul, 2020 - 15:37 • Redação

Fernando Bernardo deixa o cargo na sequência das críticas do primeiro-ministro. António Costa disse que a Direção-Geral de Veterinária "não está feita para cuidar de animais de estimação e manifestamente não tem revelado capacidade ou competência de se ajustar à nova realidade legislativa que temos".

A+ / A-

O diretor-geral de Alimentação e Veterinária, Fernando Bernardo, demitiu-se esta terça-feira na sequência do incêndio em dois canis ilegais, em Santo Tirso, que provocou a morte a 73 cães e gatos, e das críticas do primeiro-ministro.

A demissão já foi aceite pelo Governo, avançou fonte do Ministério da Agricultura à agência Lusa. "Confirma-se que a pedido do prof. Doutor Fernando Manuel d’Almeida Bernardo, a senhora Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, determinou a sua cessação da comissão de serviço no cargo de diretor-geral de Alimentação e Veterinária”, referiu, sem adiantar mais detalhes, nomeadamente o motivo do pedido de demissão.

Fernando Bernardo deixa o cargo na sequência de críticas do primeiro-ministro, António Costa, durante o debate do Estado da Nação, na última sexta-feira. Estava à frente da Direção-Geral de Alimentação e Veterinária desde 2016.

Durante o debate do Estado da Nação, o primeiro-ministro mostrou-se chocado com a morte de 73 animais em dois canis de Santo Tirso, na sequência de um incêndio.

"Eu não estava cá, mas ouvi o que disse, e bem, aquilo que foi o massacre chocante dos animais em Santo Tirso", afirmou António Costa em resposta ao deputado André Silva, do PAN.

"É absolutamente intolerável o que aconteceu", sublinhou Costa, que aguarda as conclusões das investigações em curso. Na ocasião, o primeiro-ministro defendeu mudanças.

"Quanto à orgânica do Estado: temos de repensar, porque a Direção-Geral de Veterinária não está feita para cuidar de animais de estimação e manifestamente não tem revelado capacidade ou competência de se ajustar à nova realidade legislativa que temos", defendeu o chefe do Governo.

O presidente da Câmara de Santo Tirso anunciou a instauração de um "processo disciplinar ao veterinário municipal com suspensão imediata de funções”, bem como de um "processo interno de averiguações".

O ministro da Administração Interna determinou na segunda-feira a abertura de um inquérito à atuação da GNR e da Proteção Civil no incêndio.

A Procuradoria-Geral da República anunciou, por seu turno, a abertura de um inquérito do Ministério Público (MP) ao caso.

[atualizado às 16h50]

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.