Tempo
|
A+ / A-

Marcelo respeita decisão sobre fim dos debates quinzenais

26 jul, 2020 - 23:30 • Lusa

Presidente da República promete debates com os todos os adversários, se decidir avançar com a recandidatura a Belém.

A+ / A-

O Presidente da República respeita a decisão do Parlamento de pôr fim aos debates quinzenais com o primeiro-ministro, frisando que a Assembleia da República é livre de definir a sua forma de funcionar.

“O Presidente da República não se pronuncia sobre a forma de funcionamento do Parlamento. O Parlamento é livre de definir. Ainda por cima, não vai ao Presidente, é um regimento interno que define como é que funciona e isso eu respeito”, disse o chefe de Estado, instado pelos jornalistas a pronunciar-se sobre o fim dos debates quinzenais.

Dizendo que apenas pode falar por si, antes de um jantar de trabalho com autarcas em Querença, Loulé, Marcelo Rebelo de Sousa lembrou que quando foi candidato presidencial discutiu “com todos os candidatos presidenciais” e que fará o mesmo caso venha a recandidatar-se.

“Se vier a ser candidato presidencial, uma coisa que não pensarei nisso antes de novembro, obviamente discutirei com todos os candidatos presidenciais”, frisou.

Perante a insistência dos jornalistas sobre o facto de o primeiro-ministro passar, agora, a ir apenas ao Parlamento a cada dois meses, Marcelo Rebelo de Sousa reiterou não poder acrescentar mais nada, pois tudo o resto seria imiscuir-se na “vida interna” da Assembleia da República.

“Não cabe ao Presidente estar a fazer essas apreciações, nem sobre o Parlamento, nem sobre os líderes partidários. Os líderes partidários certamente quando decidem certas coisas, tem a exata noção das reações que suscitam nos portugueses, mas isso só eles que são os juízes da bondade ou menos bondade dos seus atos", concluiu.

Durante a tarde, o Presidente da República visitou o lar de idosos da Santa Casa da Misericórdia de Boliqueime, em Loulé, no distrito de Faro, onde em abril se registou um foco de covid-19 que causou cinco mortos entre os utentes.

Marcelo Rebelo de Sousa seguiu depois para um jantar de trabalho com os presidentes de câmara do Algarve, na freguesia serrana de Querença, também no concelho de Loulé.

Esta é a terceira visita do chefe de Estado ao Algarve este mês, depois de já ter passado por Vila Real de Santo António e Lagos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    27 jul, 2020 Lisboa 14:17
    Citando o Marcelo, acerca do crime cozinhado entre o PS e o seu parceirinho de bloco central, um tal de psd-do-parolo-do-norte: "Não cabe ao Presidente estar a fazer essas apreciações, nem sobre o Parlamento, nem sobre os líderes partidários..." fim de citação. Isto é deveras estranho, vindo dum presidente interventor, conhecido por opinar sobre tudo, tanto a propósito como a despropósito. Para mais, sendo ele o garante das instituições e sendo a AR e seu funcionamento, uma instituição. Tinha mais é que pronunciar-se. Mas claro, vai saber bem o apoio do PS para as Eleições Presidenciais

Destaques V+