|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Tentar perceber

Poupar? Não, consumir

25 jul, 2020 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Os portugueses, que estavam a poupar muito pouco, aumentaram as suas poupanças por causa das incertezas trazidas pela pandemia. Mas a economia precisa de mais consumo, um problema que só a recuperação do turismo poderá resolver.

A poupança das famílias residentes em Portugal é um útil indicador social e económico. Antes de 1974, ou seja, antes de a democracia ter criado no país um Estado social, ainda que débil, muitas famílias poupavam como um imperativo para evitar caírem na miséria após deixarem de trabalhar. Incluindo famílias de baixos rendimentos.

Depois surgiram vários apoios sociais e muitos portugueses empenharam-se menos em poupar – criou-se a ideia que o Estado lá estaria para pagar a reforma ou as despesas de uma doença. Assim, em 2018 as famílias poupavam, em Portugal e em média, 6,5% do seu rendimento disponível. Vinte anos antes essa proporção era de 14%.

Nas vésperas da pandemia a poupança entre nós estava em níveis historicamente muito baixos. Mas o coronavírus pregou-nos um susto e a poupança das famílias voltou a subir. Perante as incertezas que a pandemia trouxe, o reforço das poupanças das famílias é uma decisão racional.

Só que mais poupança significa menos consumo – e, nesta altura, a economia portuguesa precisa desesperadamente de mais consumo para salvar da falência inúmeras empresas, sobretudo as de pequena dimensão.

Entre 2009 e 2019, o consumo privado cresceu muito em Portugal, passou de 110 mil milhões de euros para 132 mil milhões. O que contribuiu para uma subida das importações, ameaçando o equilíbrio das nossas contas externas.

Valia o turismo, que não só trazia receitas externas, como era um importante consumidor do comércio nacional. A pandemia reduziu praticamente a zero esse duplo contributo do turismo estrangeiro.

A decisão de vários países europeus de não considerarem Portugal um país seguro quanto à pandemia representou um prejuízo brutal, e em muitos casos injusto, para a nossa economia. Daí a frustração perante a manutenção da posição britânica nesta matéria, na semana passada. O Reino Unido foi, em 2019, o principal emissor de turistas para Portugal. No Algarve, os britânicos representaram mais de 37% das dormidas de não residentes.

É mais um adiamento da nossa recuperação económica.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • César Augusto Saraiva
    25 jul, 2020 Maia 10:37
    Tudo bem esclarecido: como sempre faz nos seus excelentes artigos; Obrigado! Pois, os portugueses talvez poupassem mais se tivessem salário mais justo e compatível com o custo de vida actual. E acredito até que consumiriam mais, ajudando assim as nossas pequenas empresas. Só com uma verdadeira actualização do Salário Mínimo Nacional; e a aprovação de um Salário Máximo Nacional se pode contornar a crise. Falaram em tempos, por alto, num Salário Mínimo Europeu, mas até à data nada mais se soube. Com muita pena de quem vive humilhado com 635 euros!...