|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​À Brás ou Gomes de Sá? Há um novo Centro Interpretativo em Lisboa que explica a história do bacalhau

23 jul, 2020 - 16:47 • Maria João Costa

Abriu ao público esta semana no Terreiro do Paço, em Lisboa, o novo Centro Interpretativo da História do Bacalhau. Das viagens à Terra Nova para a pesca do bacalhau, aos pratos tradicionais, explica-se de tudo um pouco nesta exposição.

A+ / A-

Para uns é o prato tradicional do Natal, para outros nunca pode faltar em casa o ano inteiro. O bacalhau é um dos peixes essenciais da gastronomia tradicional portuguesa e não há estrangeiro que nos visite que não peça por ele à mesa de um restaurante. Agora, pode ficar a saber como começou a relação dos portugueses com o bacalhau e como, até hoje, o consumimos.

O novo Centro Interpretativo da História do Bacalhau, que abriu esta semana ao público no Terreiro do Paço, em Lisboa, “conta uma das mais épicas histórias de Portugal – a descoberta da Terra Nova e a aventura nos mares gelados pela pesca do bacalhau”, diz a organização em comunicado.

Numa exposição em dois andares é prestada “uma homenagem a um símbolo da gastronomia portuguesa, da cultura popular e da identidade nacional”. O visitante que é logo brindado com vários exemplares de bacalhau seco na entrada, encontra ao longo de vários núcleos a história do “da odisseia de um povo que se lançou nos ‘mares do fim do mundo’”.

Na exposição é também mostrado um dóri, os pequenos barcos nos quais os pescadores eram lançados nas águas geladas para a pesca do bacalhau. Eram homens que arriscavam a vida, e nesta mostra pode conhecer alguns dos seus rostos, e “conhecer as rotinas dos pescadores a bordo”.

O visitante poderá experimentar, durante um minuto, o que era a solidão dos marinheiros do bacalhau a bordo desses pequenos dóris. Trata-se de “experiência interativa e imersiva que pretende recriar a pesca à linha num dóri”, explica o comunicado. Do Museu Marítimo de Ílhavo vieram alguns dos objetos expostos e que ajudam a conhecer melhor o que foram os primeiros tempos desta pesca ao bacalhau.

Ainda no primeiro piso da exposição, é mostrado ao visitante uma recreação do Creoula e da sua frota branca e “ouve-se, em discurso direto, testemunhos únicos de pescadores sobre os momentos épicos e dramáticos que a pesca do bacalhau implicava. Destaca-se ainda, na Propaganda, a forma como o Estado Novo difundiu e manipulou além-fronteiras este tema”.

No segundo andar deste Centro Interpretativo situado no Torreão Nascente do Terreiro do Paço, explica-se “como nasceu o mito do ‘fiel amigo’ à mesa”.

Fundado pela Associação Turismo de Lisboa e pela Câmara de Lisboa, este projeto, que tem como comissário científico Álvaro Garrido, aborda ainda a questão do consumo, da pesca sustentável e as “novas formas de cozinhar” o bacalhau. Esta exposição assume-se de resto como “o único local do mundo onde se explica quem foram o Brás e o Gomes de Sá”.

Antes de sair, o visitante é desafiado a deixar o seu contributo com uma receita de bacalhau. O espaço que contempla também uma mercearia, onde está localizada a bilheteira tem também uma zona de corte e venda de bacalhau, bem como um restaurante de nome Terra Nova e zona de degustação de petiscos.

O Centro Interpretativo da História do Bacalhau está aberto todos os dias, das 10h00 às 20h00, com entradas no valor de quatro euros, estando previstos os descontos habituais.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.