Tempo
|
A+ / A-

Tóquio 2020. A um ano do novo começo, a incerteza ainda paira sobre Jogos Olímpicos

23 jul, 2020 - 09:51 • Lusa

O presidente do Comité Organizador, Yoshiro Mori, disse que o desenvolvimento “de uma vacina ou de um medicamento” para o novo coronavírus é essencial para a realização da prova, num ponto em que o país, em particular a área metropolitana de Tóquio, regista este mês um aumento súbito do número de infetados.

A+ / A-

Veja também:


Adiados para 2021 devido à Covid-19, os Jogos Olímpicos Tóquio 2020 enfrentam, a um ano da nova data de arranque, um período de incerteza, do que falta de qualificações à evolução da pandemia e outros receios.

O adiamento, face à pandemia de Covid-19 que parou o mundo do desporto durante quase quatro meses, com a retoma, progressiva e ainda concentrada em apenas alguns desportos, a começar só há algumas semanas, veio trazer tranquilidade aos cerca de 43% de atletas que ainda falta qualificar para o evento.

Ainda assim, a incerteza quanto à evolução da pandemia e a os moldes de realização da competição no verão de 2021, entre 23 de julho e 08 de agosto, permeia os últimos tempos, ainda que os organizadores mantenham a convicção de que o evento irá para a frente, para marcar um “triunfo contra a Covid-19”, como descreve o Comité Organizador.

Ainda assim, segundo um estudo da agência noticiosa Kyodo, apenas um em quatro japoneses apoiam a realização dos Jogos em 2021, com cerca de um terço a pedir o cancelamento e um outro terço a considerar mais sensato um novo adiamento.

O presidente do Comité Organizador, Yoshiro Mori, disse quarta-feira que o desenvolvimento “de uma vacina ou de um medicamento” para o novo coronavírus é essencial para a realização da prova, num ponto em que o país, em particular a área metropolitana de Tóquio, regista este mês um aumento súbito do número de infetados.

Ainda assim, a reeleição da governadora da zona metropolitana de Tóquio, Yuriko Koike, para mais um mandato, foi um sinal positivo de “vontade política”, segundo o chefe da Missão portuguesa nos Jogos Tóquio2020, Marco Alves, uma vez que esta era, dos candidatos, “a única que defendia os Jogos”.

Para já, é preciso compreender “o que se pode replicar de 2020 em 2021”, no que toca à logística e preparação de uma missão nacional, e entender “o impacto de uma simplificação dos Jogos”, que COI e Comité Organizador têm apregoado em várias reuniões.

“A dúvida que nos assalta são esses ecos. Não é ainda conhecido o que acarreta esse mecanismo [de simplificação, e que impacto terá na logística”, reforçou Marco Alves, em entrevista à agência Lusa.

O COP está “a reatar tudo o que estava previsto para 2020”, tendo publicado todos os calendários de competição, após a 136.ª reunião do COI, na última semana, o que dá “algum conforto para preparar deslocações”, num momento em que estão apurados 34 atletas lusos.

Certo é que para 2021 se quer um impacto “minimizado” no lado desportivo da prova, ainda que toda a estrutura em seu redor possa ser “simplificada”, perante sinais “ainda parcos dos japoneses” no que toca ao conceito e à presença, ou não, de espetadores nas bancadas, ainda que a “bilhética tenha sido reativada” e a intenção seja a de contar com os adeptos.

A um ano, são muitas as questões para os atletas, desde logo pelas assimetrias no desconfinamento e recuperação entre países (espera-se a participação de 206 nações no evento) durante o caminho até Tóquio2020, no qual será necessário recuperar forma competitiva, participar em torneios de qualificação ou estabelecer marcas de apuramento.

Os Jogos Olímpicos Tóquio 2020 foram adiados para 2021, devido à pandemia de covid-19, estando marcados para decorrer de 23 de julho a 08 de agosto, com 34 portugueses já apurados, em 10 modalidades diferentes

O adiamento estende-se, igualmente, aos Jogos Paralímpicos, agora marcados para a capital japonesa entre 24 de agosto e 05 de setembro de 2021

Adiamento inédito trouxe “alívio” após meses de incerteza com Covid-19

Os Jogos Olímpicos Tóquio2020 estariam a reunir, por estes dias, quase 11.100 atletas, além de outras dezenas de milhares de profissionais e voluntários envolvidos, mas foram adiados para 2021 devido à covid-19, após meses de incerteza.

Na sexta-feira, dia 24, a cerimónia de abertura de Tóquio2020, no novo Estádio Nacional desenhado por Kengo Kuma, iria ser vista por centenas de milhões de telespetadores pelo mundo, dando início oficial a um evento que planeia reunir quase 11.100 atletas em torno de um total de 339 eventos de 33 desportos diferentes, estreando modalidades como skate, escalada, surf ou karaté.

Em vez disso, a capital japonesa, assim como o mundo desportivo, terá de esperar até 23 de julho de 2021 para que a chama olímpica volte a reunir atletas de todo o mundo, depois de a pandemia de covid-19 ter forçado o adiamento e a suspensão generalizada, durante quatro meses, de quase todos os desportos, com alguns deles ainda com quadro competitivo em dúvida.

De 23 de julho a 08 de agosto de 2021, 206 nações, entre elas Portugal, disputarão os primeiros Jogos Olímpicos que foram adiados em toda a história moderna, com 34 atletas lusos já com bilhete ‘carimbado’ e muitos ainda à espera de definição sobre as possibilidades de qualificação, após a incerteza e receios causados pela demora no adiamento, primeiro, e pela perda de forma devido ao confinamento, depois.

O chefe de missão do Comité Olímpico de Portugal (COP), Marco Alves, assumiu à Lusa o “alívio” com a decisão do adiamento, já depois de a Organização Mundial de Saúde (OMS) ter declarado o surto de covid-19 como pandemia.

Em 24 de março, o Comité Olímpico Internacional (COI), o Comité Organizador e o Governo do Japão tomaram a decisão de adiar os Jogos para 2021, uma decisão inédita que levou a uma operação de ajuste sem precedentes.

Foi necessário garantir os 42 locais, entre espaços de competição e logísticos, que tinham outro destino após o término dos Jogos, em 09 de agosto, além do problema maior com a aldeia olímpica, cujas habitações já tinham compradores ou destinatários, que terão de esperar mais um ano.

“O adiamento dos Jogos não nos deixou contentes, porque tínhamos toda a operação preparada, mas deixou-nos aliviados. Não havia forma de preparar uma missão, pela qualificação e outros” fatores, destacou o chefe da missão portuguesa.

Se a decisão pode ter “pecado por tardia”, ainda assim trouxe “algum conforto” ao COP, que ainda está “a tentar perceber o que significa”, uma vez que o caráter inédito do momento que se vive leva a que Tóquio tenha de “tomar algumas decisões com base no desconhecido”.

Os Jogos Olímpicos Tóquio 2020 foram adiados para 2021, devido à pandemia de Covid-19, estando marcados para decorrer de 23 de julho a 08 de agosto, com 34 portugueses já apurados, em 10 modalidades diferentes.

O adiamento estende-se, igualmente, aos Jogos Paralímpicos, agora marcados para a capital japonesa entre 24 de agosto e 05 de setembro de 2021.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.