Tempo
|
A+ / A-

Onde deixar filhos em agosto? CGTP pede apoio do Governo para pais que trabalham

22 jul, 2020 - 20:13 • Lusa

"Muitas mães e pais trabalhadores foram confrontados com férias forçadas pelas entidades patronais, antes de maio, no início da pandemia, e agora deparam-se com os estabelecimentos de ensino ou de apoio encerrados e sem ter onde deixar os filhos menores”, denuncia a central sindical.

A+ / A-

A CGTP apelou esta quarta-feira à intervenção do Governo para encontrar soluções para os pais que foram obrigados pelas empresas a antecipar as férias e agora não têm onde deixar os filhos menores.

“Apelamos a uma intervenção urgente por parte do Ministério que V. Exa. tutela no sentido de encontrar as respostas adequadas a estas situações de emergência de pais e crianças”, disse a Intersindical numa carta enviada à Ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho.

Segundo a central sindical, “muitas mães e pais trabalhadores foram confrontados com férias forçadas pelas entidades patronais, antes de maio, no início da pandemia [de covid-19]”, e agora têm de trabalhar em agosto, “mês em que teriam as suas férias habituais para conciliar com as responsabilidades familiares e deparam-se com os estabelecimentos de ensino ou de apoio encerrados e sem ter onde deixar os filhos menores”.

A carta enviada a Ana Mendes Godinho refere que têm chegado aos sindicatos da Inter “relatos de casos de verdadeira aflição, sem apoio familiar de retaguarda e sem solução à vista”.

“Os mais recentes estão a ocorrer na região de Portalegre, mas existirão muitos mais”, diz o documento, acrescentando que “os poucos campos de férias que existem, nalgumas regiões do país, não duram o mês todo e são pagos, algo que muitas famílias, em resultado da perda de rendimentos, não pode suportar”.

A CGTP lembra que estas situações não têm enquadramento legal específico e defende que “necessitam de uma resposta excecional e urgente nos apoios sociais para que as famílias não fiquem desprovidas de soluções”.

“Se o 'lay-off' foi ajustado para as empresas, também os apoios às famílias têm de ser ajustados às suas necessidades”, diz a carta assinada pela coordenadora da Comissão para a Igualdade entre Mulheres e Homens, Fátima Messias.

A dirigente da CGTP manifestou disponibilidade para colaborar com o Ministério do Trabalho, designadamente identificando as situações detetadas pelos sindicatos da central.

O assunto foi também hoje colocado pela CGTP na reunião da CITE, junto da sua presidente.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.