Tempo
|
A+ / A-

Ucrânia. Sequestrador rende-se após obrigar Presidente a promover documentário com Joaquin Phoenix

22 jul, 2020 - 10:28 • Daniela Espírito Santo

Ninguém ficou ferido no impasse com atirador "instável", que acusou os políticos ucranianos de serem "os verdadeiros terroristas", enquanto se auto-proclamava "ativista dos direitos dos animais".

A+ / A-
Ucrânia. Sequestrador rende-se após obrigar Presidente a promover documentário sobre direitos dos animais
Ucrânia. Sequestrador rende-se após obrigar Presidente a promover documentário sobre direitos dos animais

O homem armado que, esta terça-feira, tomou de assalto um autocarro com 13 pessoas a bordo em Lutsk, na Ucrânia, rendeu-se às autoridades depois de convencer o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, a promover, via Facebook, um documentário estrelado pelo ator Joaquin Phoenix.

Chegou desta forma bizarra ao fim o impasse iniciado na manhã de terça-feira, depois de Maksym Kryvosh, 44 anos, ter tornado reféns todos os passageiros que seguiam na viatura, ameaçando com disparos constantes e, até, com uma granada. Ninguém ficou ferido.

A pedido do sequestrador, Zelenskiy recomendou, num vídeo com poucos segundos, o documentário "Earthlings", sobre direitos dos animais. O vídeo foi apagado assim que os reféns foram libertados.

"Toda a gente devia ver o filme 'Earthlings', de 2005. O filme é bom. E não é preciso colocar um país em terror para o ver. Podem vê-lo sem isso", declara Zelenskiy num curto vídeo publicado no Facebook e que seria substituído mais tarde por uma publicação a agradecer o trabalho da polícia durante o incidente.

"Parabéns a todos os que ajudaram na libertação dos reféns em Lutsk. Estávamos todos preocupados e a acompanhar os desenvolvimentos, alterando a estratégia de acordo com a evolução da situação. A vida humana é o valor mais importante. Não perdemos ninguém. Hoje, familiares e entes queridos podem abraçar todos os que sofreram um dia naquele autocarro. O terrorismo não tem lugar em nenhum país", diz o Presidente ucraniano.

Políticos são "os verdadeiros terroristas

Antes, o homem armado já tinha pedido, através das redes sociais, que diversas figuras da política ucraniana admitissem publicamente serem "os verdadeiros terroristas", pedido que não chegou a ser satisfeito.

De acordo com o jornal "The Guardian", ninguém ficou ferido durante este incidente, que culminou perto das 22h00 (20h00 em Portugal continental), apesar de o sequestrador ter disparado várias vezes para o exterior do autocarro.

Enquanto durou o sequestro, o atirador chegou à fala com os jornalistas e monitorizou as redes sociais, usando os reféns para pedir para falar diretamente com o Presidente, objetivo que acabou por conseguir concretizar.

Numa demonstração de cooperação com as autoridades, libertou inicialmente três reféns, incluindo uma mulher grávida, segundo a agência Reuters. Depois de o Presidente ucraniano ter cumprido a promessa de publicar um vídeo a falar sobre o documentário narrado pelo ator Joaquin Phoenix, os restantes reféns foram libertados.

Kryvosh esteve detido perto de uma década por variados crimes, onde se incluem fraude e posse ilegal de armas e munições. Na Internet, mostrou-se anti-governo, deixando um manifesto com mais de 500 páginas em que acusava os políticos do seu país de serem todos terroristas. Pelo caminho, segundo o "The Guardian", os meios de comunicação social locais também descobriram que se auto-entitulava "ativista dos direitos dos animais" e as autoridades passaram a tratá-lo como uma pessoa "instável".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.