Tempo
|
A+ / A-

Homem armado toma de assalto autocarro na Ucrânia

21 jul, 2020 - 10:01 • Daniela Espírito Santo

A bordo estavam 13 pessoas. Centro da cidade de Lutsk foi encerrado.

A+ / A-

[Notícia atualizada às 11h11 de 22 de julho de 2020]

Um homem armado tomou de assalto um autocarro em Lutsk, na Ucrânia, esta terça-feira. A bordo estavam treze pessoas (e não vinte, como foi inicialmente adiantado pelas autoridades).

Segundo avança o jornal "The New York Times", citando fonte da polícia local, o sequestrador estava armado e com explosivos. As autoridades tentaram negociar com o homem, que já foi identificado e que, periodicamente, disparava e mostrava o material bélico tendo, inclusive, atirado uma granada à polícia (que não chegou a detonar).

A zona foi cercada pela polícia e todo o centro da cidade, que se situa a cerca de 400 quilómetros da capital Kiev, foi encerrado.

Terá sido o próprio sequestrador a dar o alerta às autoridades, identificando-se como Maksim Krivosh, de 44 anos. De acordo com o ministro do Interior ucraniano, Anton Gerashchenko, o autor do crime mostrou "frustração pelo sistema" ucraniano nas suas redes sociais. Terá escrito um livro sobre a sua experiência na prisão, onde esteve pelo menos 10 anos, declarando que, nesse período de tempo, "tentaram corrigir-me, mas eu não fui corrigido. Pelo contrário, tornei-me mais quem sou".

Inicialmente, partilhou as suas exigências para libertar os reféns: pretende que várias figuras políticas ucranianas assumam que são terroristas, pois "o Estado é e sempre será o primeiro terrorista". Também terá usado os telemóveis de alguns reféns para tentar contactar os meios de comunicação social locais.

Mais tarde, exigiu que o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, gravasse um vídeo em que sugeria a visualização de um documentário sobre os direitos dos animais, narrado por Joaquin Phoenix.

Zelenskiy acatou o pedido, publicando o pequeno vídeo no Facebook e apagando-o assim que os reféns foram libertados. Ninguém ficou ferido neste incidente.

Ucraniano de origem russa, Maksim terá sido condenado duas vezes a penas de prisão por crimes relacionados com roubo, fraude, extorsão e posse ilegal de armas, munições e explosivos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.