|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Não desperdiçar o dinheiro de Bruxelas

22 jul, 2020 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A questão da qualidade dos empreendimentos que o dinheiro europeu permitirá lançar é vital para a nossa economia. O risco óbvio é que grande parte do dinheiro de Bruxelas vá para os “amigos”.

O Conselho Europeu que só ontem de madrugada terminou em Bruxelas com um acordo que, embora menos ambicioso do que a proposta da Comissão Europeia, é positivo para Portugal e para a Europa.

A novidade mais importante é o financiamento das ajudas que, por causa da pandemia e dos seus efeitos sociais e económicos, os Estados membros da UE irão receber. Será através de dívida a longo prazo emitida pela Comissão, não pelos países. Uma solução que se deve à sensata mudança de opinião de Angela Merkel, que percebeu a situação excecional criada pelo coronavírus. Uma situação se arriscava a desembocar no colapso da UE.

Os países ditos “frugais”, com a Holanda à cabeça, viram substancialmente aumentados os descontos que, como contribuintes líquidos, podem fazer no que pagam cada ano à UE – descontos que se pretendia eliminar. Não lhes bastou reduzir para 390 milhões de euros as ajudas da UE a fundo perdido, que inicialmente eram de 500 milhões. Lamentavelmente, houve que pagar para impedir o bloqueio dos “frugais”.

Um outro dos preços da “generosidade europeia”, incluindo os descontos para os “frugais”, foram cortes nos programas da Comissão Europeia, nomeadamente na área da ecologia. É pena. Enfim, foi o acordo possível.

Não parece preocupante a possibilidade, consagrada no acordo, de um Estado membro interromper durante três meses um investimento noutro país da UE, com ajuda europeia, investimento que considere estar a ser mal gerido. A decisão final sobre a continuação, ou não, desse investimento pertencerá à Comissão Europeia.

De qualquer modo, a questão da qualidade dos empreendimentos que o dinheiro europeu permitirá lançar é vital para o nosso país. O dinheiro de Bruxelas que recebemos nas últimas décadas foi considerável, mas não impediu que o crescimento da economia portuguesa tenha vindo a ser ultrapassado por sucessivos países de Leste. Ou seja, muito desse dinheiro foi mal gasto.

O risco óbvio é que grande parte do dinheiro de Bruxelas vá para os “amigos”. Como evitar esse desastre é uma tarefa prioritária do Governo nos próximos meses. Para já, convém não exagerar os benefícios do dinheiro agora oficialmente prometido pela UE. A nossa situação económica e financeira permanecerá delicada durante anos. Não há milagres, mesmo com muito dinheiro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • César Augusto Saraiva
    23 jul, 2020 Maia 08:01
    Olho Fino, pois!... De todos, especialmente dos jornalistas entendidos, como é o caso deste nosso «Mais-Velho» Sr. Sarsfield Cabral. Para que o dinheiro seja bem gasto nas despesas a que se destina, com todo o rigor e fiscalização... E, ainda, para que não seja desviado nenhum cêntimo para o tal "amigo-do-amigo-que-amigo-é»!...