Tempo
|
A+ / A-

Costa Silva mudou de opinião. Bitola ibérica "não é obstáculo" à ferrovia em Portugal

22 jul, 2020 - 16:59 • Pedro Mesquita , com redação

Em declarações à Renascença, o autor do Plano de Recuperação Económica e Social pedido pelo Governo explica que mudou de posição, porque existem soluções tecnológicas que permitem fazer a transição entre bitola ibérica e europeia.

A+ / A-

António Costa Silva, autor do Plano de Recuperação Económica e Social encomendado pelo Governo, consultou especialistas e mudou de posição sobre a necessidade de Portugal mudar o transporte ferroviário de bitola ibérica para europeia.

Em declarações à Renascença, Costa Silva explica que a questão da bitola não será, afinal, grande obstáculo, uma vez que a questão pode ser contornada com a tecnologia.

“Da investigação que fiz e da discussão com especialistas que acompanham o desenvolvimento deste setor, o que me foi transmitido é que existem soluções tecnológicas para lidar com esse problema, avançou-se muito a esse nível e, portanto, não é um grande obstáculo em termos de futuro”, sublinha o gestor.

Questionado sobre a manutenção da atual bitola ibérica, Costa Silva responde que não faz previsões, apenas recomendo “que se faça uma rede ferroviária elétrica moderna, depois os detalhes…”.

“A tecnologia evoluiu muito, há respostas a isso e não é um obstáculo. Depois, no desenho, os detalhes têm de ser determinados, mas não sou eu que vou recomendar detalhes, porque não sou especialista nesta área”, sublinha.

Do plano de reflexão estratégica desenhado a convite do Governo não consta a expressão "bitola", muito menos "bitola europeia", o que tem merecido críticas de alguns economistas a sugerir que Portugal se poderá transformar numa espécie de ilha ferroviária e alertarem para uma alegada falta de competitividade do sistema atual.

A questão é desvalorizada António Costa Silva e pelo antigo presidente da CP e da REFER Francisco Reis.

Ouvido pela Renascença, o atual presidente da Região Europa de Caminhos de Ferro diz que António Costa Silva tem razão: a questão da bitola é “indiferente”.

“Para passageiros não há a mínima limitação, a não ser a utilização de comboios que permitem andar nas duas bitolas. Para mercadorias, há sistemas em estudo que eu penso que, em breve, serão uma solução consolidada. Hoje em dia, é uma questão de, nas fronteiras, através de um processo físico de alteração da bitola, que demora três horas, fazer a adaptação. Não há qualquer problema de incompatibilidade. Nunca existiu a ilha ferroviária por causa da bitola”, sublinha Francisco Reis.

António Costa Silva apresentou, na terça-feira, a “Visão Estratégica para o Plano de Recuperação Económica e Social de Portugal 2020-2030”, onde defende a aposta na alta velocidade, a construção de um grande aeroporto em Lisboa e acredita no “equilíbrio virtuoso entre o Estado e os mercados”. “Chamam-me sempre ambicioso e vou sê-lo uma vez mais”, sublinhou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Carlos Sousa
    05 set, 2020 Santa Iria da Azoia 11:45
    Política ferroviária espanhola - Linhas novas em bitola europeia (projectadas para tráfego misto* a partir de 2011) - introdução da bitola europeia na rede existente - em 2030 a bitola europeia estará nos principais portos e plataformas logísticas espanholas - futura desactivação de linhas de bitola ibérica --- O túnel da Base do Ceneri no cantão suíço de Ticino abriu oficialmente ao tráfego esta sexta-feira (04-09-2020) com a passagem do primeiro comboio de mercadorias. Está assim concluído o projeto de ligar o norte da Europa ao Mediterrâneo através de uma ligação ferroviária direta através dos Alpes. O objetivo é desviar as mercadorias das estradas para os carris. "Agora o norte e o sul ficam alinhados. Em vez dos bens passarem por cima da montanha, agora podem passar através dela. Graças a este túnel... --- Costa Silva mudou de opinião. Bitola ibérica "não é obstáculo" à ferrovia em Portugal (22-07-2020) --- ora bem, será que ao Sr. António Costa Silva já lhe ofereceram um comboio cheio de mercadorias, daquelas que fazem mudar de opinião? ps: desde que o vi e ouvi nos "prós e contras" fiquei a "adorar" este homem, espero não me ter enganado.