|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Pedro Rodrigues

Deputado do PSD vota contra proposta de Rio e PS de acabar com debates quinzenais com Costa

21 jul, 2020 - 22:23 • Susana Madureira Martins

À direita, também o CDS usou da ironia para criticar Rio. "Ele [António Costa] que não se mace muito a vir ao Parlamento. Vir ao Parlamento não é trabalho, é uma maçadoria", atirou Telmo Correia.

A+ / A-

Pedro Rodrigues votou contra a proposta do seu próprio partido na Comissão de Assuntos Constitucionais, referindo que a iniciativa empobrece a democracia e diminui o escrutínio do Parlamento ao Governo.

"Não quero também deixar de chamar a atenção que me parece no mínimo contraintuitivo, para não dizer bizarro, que seja a própria Assembleia da República, que escrutina o Parlamento, que escrutina o Governo, a abdicar de instrumentos de escrutínio da atividade política do Governo. Quero recordar que a legitimidade do Governo radica na Assembleia”, criticou o deputado social-democrata.

E recordou: “Não é uma faculdade do ponto de vista constitucional, não é uma faculdade do primeiro-ministro vir à Assembleia; é uma obrigação vir”.

O deputado do PSD votou contra uma proposta em que se empenhou pessoalmente o líder do partido, Rui Rio, com Pedro Rodrigues a salientar ainda que o fim dos debates quinzenais com o primeiro-ministro diminui a capacidade de intervenção dos partidos com menor representação parlamentar – anunciando, por isso, o voto contra em sede de especialidade.

Na mesma linha foi o líder parlamentar do CDS, Telmo Correia, que usou da ironia para criticar o PSD.

"Nós passámos, estranhamento na minha opinião, para um conceito que já conhecíamos do passado, de um primeiro-ministro que usava a expressão 'deixem-me trabalhar' para o maior partido da oposição que diz 'deixem-no trabalhar', ao atual. Ele que não se mace muito a vir ao Parlamento e que tenha todo o tempo em trabalhar. Até porque vir ao Parlamento não é trabalho e responder às perguntas da oposição não é trabalho; é uma maçadoria”, atirou.

Foram vários os apelos da esquerda e da direita para que PS e PSD voltem atrás nesta proposta de acabar com os quinzenais, com o vice-presidente da bancada socialista, Pedro Delgado Alves, a defender-se dizendo que o primeiro-ministro pode ir ao Parlamento sempre que quiser.

"Não se exclui a possibilidade da presença do primeiro-ministro se poder fazer mais vezes. E não se exclui um aumento de periodicidade, que fica na disponibilidade do primeiro-ministro: querendo, pode vir todos os meses. Portanto, é uma questão, depois, da responsabilização política do primeiro-ministro”, explicou Delgado Alves.

Uma intervenção que provocou nova ironia, desta vez da parte do deputado do Bloco de Esquerda José Manuel Pureza.

"Ficamos a saber que esta diminuição sensível da importância do Parlamento fica nas mãos do primeiro-ministro. Porque querendo, ele poderá vir ao Parlamento. E, portanto, é uma questão do senhor primeiro-ministro querer ou não. Convenhamos que fazer uma revisão do regimento nessa base não nos parece realmente aceitável."

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Digo eu
    22 jul, 2020 Aqui 12:08
    Há pelo menos um que não chafurda nisto (Pedro Henriques). Os outros são uns vendidos.
  • Cidadao
    22 jul, 2020 Lisboa 08:25
    São as petições populares que para serem discutidas, passam de 4000 assinaturas para 10000, é o governo a deixar de prestar contas, e depois dizem que "querem aproximar os cidadãos da política". Caro Presidente da República, não tem nada para dizer (e fazer) em relação a isto?