Tempo
|
A+ / A-

Veja aqui o momento

Protesto. Jogadores do Aves "paralisaram" durante um minuto contra o Benfica

21 jul, 2020 - 22:10 • Lusa

Logo após o apito inicial, o onze da equipa orientada por Nuno Manta Santos manteve-se inamovível no terreno de jogo.

A+ / A-

Os futebolistas do Desportivo das Aves recusaram jogar, esta terça-feira, o primeiro minuto da receção ao Benfica, em encontro de encerramento da 33.ª e penúltima jornada do campeonato.

Logo após o apito inicial do árbitro António Nobre, o onze da formação orientada por Nuno Manta Santos manteve-se inamovível no terreno de jogo e os suplentes abraçados à equipa técnica na zona do banco de suplentes, enquanto os jogadores dos encarnados recriavam-se com o esférico e aplaudiram o gesto de protesto dos nortenhos.

A SAD do Aves informou no domingo que não iria comparecer ao duelo com o Benfica devido à anulação da apólice de seguro de acidentes de trabalho, que a direção do clube desbloqueou no dia seguinte, tendo assegurado duas baterias de exames negativos à covid-19, obrigatórias ao abrigo do protocolo de reinício da I Liga em plena pandemia.

Os guarda-redes Quentin Beunardeau e Raphael Aflalo, o defesa Jonathan Buatu, os médios Aaron Tshibola, Estrela e Pedro Delgado e os avançados Kevin Yamga e Welinton Júnior entregaram cartas de rescisão à administração liderada pelo chinês Wei Zhao, sendo que venceu na segunda-feira o terceiro mês seguido de incumprimento salarial.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    22 jul, 2020 Lisboa 08:30
    Isto das SAD, já deu barraca de outras vezes, que o diga o Atlético Clube de Portugal. Deve rever-se a legislação que trata disto. Estas situações não são aceitáveis.