|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

​Covid-19: Ordem dos Advogados vai averiguar "lesões dos direitos humanos" em lares de idosos

15 jul, 2020 - 17:49 • Lusa

Bastonário da Ordem dos Advogados, Luís Menezes Leitão contactou o bastonário da Ordem dos Médicos para se inteirar da situação ocorrida em Reguengos de Monsaraz.

A+ / A-

Veja também:


A Ordem dos Advogados (OA) vai averiguar o que "se está a passar nos lares portugueses" nesta fase da pandemia por forma "a apurar eventuais lesões dos direitos humanos nesse âmbito".

Uma nota informativa, a Ordem dos Advogados refere que perante a denúncia pública da Ordem dos Médicos, de que poderá ter havido violação das regras e normas estabelecidas pela Direção-Geral de Saúde no caso do Lar de Reguengos de Monsaraz, onde morreram 17 pessoas, vai "averiguar o que se está a passar nos lares portugueses" para apurar eventuais lesões dos direitos humanos nesse âmbito.

Assim, o bastonário da Ordem dos Advogados, Luís Menezes Leitão contactou o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, para se inteirar da situação ocorrida em Reguengos de Monsaraz.

De imediato - diz a nota - Luís Menezes Leitão solicitou à Comissão de Direitos Humanos da ordem que procedesse à averiguação das situações ocorridas nos lares portugueses e da eventualidade de as mesmas justificarem a intervenção dos tribunais, para o que a OA colaborará nos termos das suas atribuições legais.

A OA justifica esta intervenção quanto aos lares de idosos lembrando que é sua atribuição, nos termos do seu Estatuto, “defender o Estado de Direito e os direitos, liberdades e garantias dos cidadãos e colaborar na administração da justiça”.

Portugal contabiliza pelo menos 1.668 mortos associados à covid-19 em 47.051 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde, tendo muitos dos surtos da doença ocorrido em lares de idosos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.