|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Associação Transparência e Integridade considera que julgamento de Salgado vai ser muito importante no país

15 jul, 2020 - 02:13 • Redação

Na lista de crimes estão burla qualificada, branqueamento de capitais, associação criminosa, falsificação de documentos, fraude no comércio internacional e desvio de fundos e corrupção ativa e passiva, entre outros.

A+ / A-

O ex-banqueiro Ricardo Salgado é acusado de vários crimes no âmbito do processo relativo ao colapso do Banco e do Grupo Espírito Santo.

O Ministério Público do Departamento Central de Investigação e Ação Penal deduz acusação sobre 25 arguidos, 18 pessoas singulares e 7 coletivas - nacionais e estrangeiras.

Na lista de crimes estão burla qualificada, branqueamento de capitais, associação criminosa, falsificação de documentos, fraude no comércio internacional e desvio de fundos e corrupção ativa e passiva, entre outros.

Em causa, estão prejuízos de 11,8 mil milhões de euros, consequência dos crimes imputados.

A defesa de Ricardo Salgado já reagiu. Em comunicado, garante que o ex-banqueiro não praticou qualquer crime e sublinha que a acusação “falsifica” a história do Banco Espírito Santo. Os advogados asseguram que Salgado não desistirá de se defender até às últimas consequências.

Numa primeira análise à acusação, João Paulo Batalha, da Associação Transparência e Integridade, defende que o processo vai acabar por revelar incapacidade das instituições em prevenir mecanismos de corrupção.

“O processo que se avizinha no julgamento vai ser muito importante no país, não só em termos de julgamento criminal mas, provavelmente, por aquilo que nos vai revelar sobre a incapacidade das nossas instituições políticas e regulatórias em prevenir mecanismos de gigantesca corrupção como esta”, disse.

João Paulo Batalha refere que a “acusação musculada” mostra a confiança do Ministério Público nas provas que recolheu. Para além das questões criminais, vai revelar outras, como “as cumplicidades políticas” que permitiram esta “estrutura de corrupção”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.