|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Protestos contra Putin juntam centenas em Moscovo

15 jul, 2020 - 22:22 • Reuters

Sem autorização oficial, a manifestação violava as regras de confinamento por causa do novo coronavírus.

A+ / A-

Dezenas de pessoas foram detidas esta quarta-feira num protesto que juntou centenas de opositores ao regime de Vladimir Putin.

Os manifestantes protestavam contra as reformas constitucionais que abrem caminho para que o atual Presidente possa manter-se no poder durante mais 16 anos.

Cerca de 500 manifestantes, muitos dos quais usavam máscaras com a palavra “Não” estampada, gritaram palavras de ordem exigindo a demissão de Putin e levantaram faixas contra as reformas anunciadas.

O protesto foi cercado por polícias que começaram a fazer detenções ao final da noite, arrebanhando manifestantes e colocando-os dentro de carrinhas.

Mais de cem pessoas foram detidas, de acordo com a organização OVD-info, que monitoriza questões ligadas aos direitos humanos, mas as autoridades não confirmaram os números exatos.

A Rússia aprovou alterações à constituição no início do mês de julho, dando a Putin o direito a candidatar-se a mais dois mandatos presidenciais.

Mas a oposição considera que o voto foi ilegítimo e que chegou a hora de Putin, que está à frente dos destinos do país há mais de duas décadas, quer enquanto Presidente, quer enquanto primeiro-ministro, se demitir.

Dois ativistas russos que participaram na campanha contra a reforma constitucional foram detidos na semana passada e outros cinco viram as suas casas revistadas antes do protesto, que não foi autorizado pelo Governo.

Sem autorização oficial, o protesto de cerca de 500 pessoas viola as restrições a ajuntamentos posto em prática por causa da Covid-19.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.