Tempo
|
A+ / A-

Ricardo Salgado acusado de associação criminosa e corrupção

14 jul, 2020 - 21:06 • Redação

Ex-banqueiro é um dos 25 arguidos, 18 pessoas e sete empresas, acusados pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), após quase seis anos de investigação.

A+ / A-

O ex-banqueiro Ricardo Salgado foi acusado, esta terça-feira, de vários crimes no inquérito relacionado com o colapso do Banco Espírito Santo (BES) e do grupo GES. O anúncio é da Procuradoria-Geral da República em comunicado.

Ricardo Salgado é um dos 25 arguidos, 18 pessoas e sete empresas, acusados pelo Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), após quase seis anos de investigação.

Segundo a acusação do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), na lista de crimes estão burla qualificada, branqueamento de capitais, associação criminosa, falsificação de documentos, fraude no comércio internacional e desvio de fundos e corrupção ativa e passiva.

A acusação acrescenta que estes alegados crimes podem ter contribuído para a derrocada do BES e do Grupo Espírito Santo.

A mesma fonte refere que o ex-líder do BES terá criado uma estrutura fraudulenta dentro do banco, sustentada no Departamento Financeiro e de Mercados, tutelado pelo diretor financeiro, à data, Amílcar Morais Pires, uma estrutura alegadamente montada sem conhecimento do Banco de Portugal (BdP).

Entre os acusados estão também Amílcar Morais Pires, braço direito de Ricardo Salgado, e a diretora financeira do BES, Isabel Almeida e José Manuel Espírito Santo, primo de Salgado e antigo administrador.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    15 jul, 2020 19:06
    Sabiamente, Agostinho de Hipona (354-430) escreveu: «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um bando de ladrões»...

Destaques V+