|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

Ribeiro Cristovão
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

A turbulência da nau encarnada

13 jul, 2020 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Antes de vários incidentes registados nos últimos dias, contam os maus resultados e não melhores exibições da equipa de futebol que deram recentemente origem à saída do treinador, campeão há um ano e incensado então em todas as latitudes vermelhas.

Continuam difíceis os tempos para os lados da Luz, onde o Sport Lisboa e Benfica tem vindo a acumular casos que desgastam a colectividade e tornam ainda mais complicado o seu futuro, pelo menos a curto prazo.

Antes de vários incidentes registados nos últimos dias, contam os maus resultados e não melhores exibições da equipa de futebol que deram recentemente origem à saída do treinador, campeão há um ano e incensado então em todas as latitudes vermelhas.

Conquistar apenas nove pontos em 21 possíveis representa fraco pecúlio para um clube com a dimensão do Benfica. Isto significa que se ficou por duas vitórias, três empates e duas derrotas nos setes desafios disputados na fase pós-pandemia, números que ficam muito aquém das perspectivas traçadas grosso modo.

Depois, os graves problemas registados após o confronto com o Tondela, no estádio da Luz, onde a equipa não foi além de um empate sem golos, após os portistas terem perdido na véspera frente à equipa do Famalicão, uma derrapagem que as águias desaproveitaram.

E, nesses problemas, não podem deixar de ser incluídas as inscrições ofensivas feitas nas casas de Pizzi, Rafa e Bruno Lage.

Pois foram exactamente estas três figuras que voltaram à ribalta nos dias mais recentes, com “amigos” do ex-treinador a deixarem escapar a informação segundo a qual os dois mesmos atletas, a que se juntou André Almeida, serem tidos como figuras que boicotaram o seu trabalho na condução da equipa, conduzindo ao actual estado de degradação em que se encontra. Até agora, Bruno Lage não tomou a iniciativa de desmentir a notícia, silêncio que, naturalmente, lhe empresta credibilidade.

A possível contratação de Jorge Jesus completa o ramalhete.

Tudo isto, junto, é um bom motivo para tirar o sono a Luis Filipe Vieira, já assombrado por uma oposição que promete fazer-lhe a vida cara nas próximas eleições de Outubro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    13 jul, 2020 Lisboa 10:10
    Começando pelas Eleições, infelizmente, deve acontecer o que acontece sempre: LFV faz um mea-culpa hipócrita, aparece com um novo Treinador e um investimento vultuoso na equipa principal - é tudo para vender no final do primeiro ano, mas enquanto durar a ilusão... - mais a habitual banha-da-cobra as bateladas, e o rebanho vai atrás, por muito boas que sejam as propostas da Oposição. No resto, Lage paga as favas por não ter sido mais duro na escolha do plantel e de ter sido um "team player" em excesso. Ele devia saber que no final, quando o fracasso é evidente, não sai o Presidente, nem os diretores, nem a "estrutura", e muitas vezes, nem sequer os jogadores. Quem sai é o Treinador.