|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Líder do CDS quer “tolerância zero à marginalidade” e “mais autoridade” para a polícia

13 jul, 2020 - 15:48 • Lusa

Apelo surge após comentário sobre rixa de sábado que envolveu dezenas de pessoas na praia do Tamariz, no Estoril, distrito de Lisboa, na qual dois jovens ficaram feridos.

A+ / A-

O presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, pediu esta segunda-feira ao Governo “tolerância zero à marginalidade”, num comentário ao desacato de sábado na praia do Tamariz, defendendo “mais autoridade” para as forças de segurança.

No sábado, dois jovens ficaram feridos devido a uma rixa que envolveu dezenas de pessoas na praia do Tamariz, no Estoril, distrito de Lisboa.

“Tem que haver tolerância zero à marginalidade em Portugal, sob pena de o nosso país ser tomado de assalto por um conjunto de arruaceiros e gente que quer viver à margem da lei”, afirmou o líder democrata-cristão num comentário a este episódio.

De acordo com Francisco Rodrigues dos Santos, “o Governo de Portugal tem de ser absolutamente firme na resposta que dá a este tipo de comportamentos, porque é inaceitável que as ruas e as praias sejam tomadas de assalto por um conjunto de gangues e que os portugueses cumpridores e decentes estejam reféns nas suas casas” devido à pandemia de Covid-19.

O presidente do CDS, acompanhado por vários dirigentes e autarcas do partido, reuniu-se esta segunda-feira com um representante dos comerciantes da baixa de Lisboa e falou num recuo de “recuámos cerca de 10 anos ao nível da segurança pública” na capital.

Em declarações aos jornalistas no final da reunião, Rodrigues dos Santos defendeu que “tem que haver um sentimento em Portugal de que há tolerância zero a comportamentos de marginalidade que impeçam que Portugal seja tomado de assalto por um conjunto de arruaceiros”.

Na sua ótica, este problema resolve-se dando “mais autoridade às forças de segurança” e através de “uma renovação da sua respeitabilidade”.

“Isto passa naturalmente por dar uma resposta firme e contundente a este tipo de comportamentos, para que haja uma manutenção da ordem pública”, o que seria possível com “mais efetivos, mais policiamento, pelo agravamento das molduras penais para quem infringe as normas durante o estado de calamidade, nomeadamente as de saúde pública e segurança”.

Francisco Rodrigues dos Santos realçou ainda uma “autonomização dos crimes praticados contra agentes das autoridade, de modo a que as suas ordens sejam acatadas, que não haja desobediências e que os polícias não tenham receio de intervir para dissuadir comportamentos desta natureza”.

No início do mês, o CDS agendou um debate sobre a temática dos crimes contra polícias, e viu ‘chumbados’ os projetos que visavam agravar as molduras penais para quem cometesse estes atos.

No final da reunião, o líder centrista criticou a postura da Câmara Municipal de Lisboa para com o comércio local, apontando que só tem dado “meras migalhas” aos pequenos empresários que estão a sentir os efeitos económicos da pandemia de Covid-19.

De acordo com Rodrigues dos Santos, a autarquia liderada pelo socialista Fernando Medina tem demonstrado “inoperância e total vazio de plano operacional e de estratégia” nesta área.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.