|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Ouça aqui a entrevista

"Vejo os meus filhos através da janela". Tânia é o caso mais prolongado de Covid-19 em Portugal

13 jul, 2020 - 09:50 • André Rodrigues

O "calvário" começou a 12 de Março, com os primeiros sintomas após uma viagem a França.

A+ / A-

Quatro meses e 14 testes depois, Tânia Poço é, até esta segunda-feira, a detentora do caso de Covid-19 mais prolongado em Portugal.

Aos 31 anos, esta mulher de Tavira apercebeu-se dos sintomas iniciais da doença a 12 de março, após uma viagem a França.

Depois de ter estado internada no Hospital de Faro até 24 de março, "pensava sempre que era por mais 14 dias de isolamento profilático e que, depois, ficava tudo resolvido, mas não".

De lá para cá, os quatro meses tornaram-se "demasiado longos".

"Já não tenho sintomas desde o início de abril, os testes continuam a dar positivo. Já tive um negativo e dois inconclusivos, hoje vou fazer o meu 15.º teste", conta à Renascença.

Se o teste der negativo, Tânia terá de aguardar por um segundo rastreio negativo que, finalmente, porá um ponto final na história.

Entretanto, os médicos dizem que "só tenho que ter calma e paciência, que não irei ficar assim para sempre. Na semana passada, fiz análises ao sangue e está tudo bem, os órgãos estão a funcionar bem".

A impaciência levou, inclusivamente, Tânia Poço a contactar o Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge para perceber se haveria outra forma de perceber as razões para a persistência do vírus, mas, "até à data, não obtive mais respostas" e o seu caso ainda não foi alvo de estudo.

O pior de toda esta situação é o isolamento forçado e prolongado.

Desde que teve alta do hospital, Tânia Poço vive sozinha.

"O meu marido e os meus filhos tiveram que sair de casa para eu poder vir e, desde essa altura, estou sozinha. Vejo-os através da janela e é o meu marido que me traz as compras a casa, porque não saio nem para fazer os testes".

Quando o vírus passar, a preocupação que se segue é a manutenção do posto de trabalho.

Tânia Poço é funcionária de uma empresa de serviços de impressão em Tavira.

"Até agora, nunca me foi dito nada em contrário. Neste momento, estou de baixa e eles são muito meus amigos por isso, em princípio, tudo indica que irei continuar onde parei".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • mew
    13 jul, 2020 12:03
    Agradeço-vos o alegrarem o meu dia-a-dia. A notícia é fantástica.