|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Mudança de vento poderá ter cercado equipa de bombeiro que morreu na Lousã

12 jul, 2020 - 12:52 • Redação com Lusa

Proteção civil admite que tenha sido uma mudança de vento a cercar o bombeiro, mas reserva conclusões para depois dum inquérito.

A+ / A-

O comandante da Proteção Civil admitiu este domingo que possa ter sido uma mudança de vento a cercar a equipa do bombeiro de Miranda do Corvo que morreu a combater um incêndio na Lousã, mas reservou conclusões para depois dum inquérito.

Em conferência de imprensa na sede da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, Duarte da Costa indicou que o incêndio que matou um bombeiro e provocou ferimentos em quatro outros da corporação de Miranda do Corvo começou com uma trovoada seca e que, nessas condições, há "mudanças de vento repentinas nas camadas inferiores da atmosfera, junto ao chão".

"Rapidamente, num terreno que é muito difícil e com grande declive, poderá ter havido uma alteração de vento que levou a que o chefe José Augusto se visse na vicissitude de não conseguir sair da zona onde acabou por falecer. No entanto, vamos aguardar com calma e serenidade que sejam feitos todos os inquéritos pelas autoridades competentes como foi determinado pelo ministro da Administração Interna para que se tirem conclusões e se evitem situações destas", declarou.

À Renascença, o tenente-coronel Sérgio Trindade, da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) tinha já apontado um momento-chave, que pode ter levado à morte deste bombeiro.

“Houve um momento em que a equipa se desfez e tiveram de ir novamente ao encontro destes elementos. Ele não ficou desaparecido, foi o momento, a situação que se desenvolveu, houve menor ligação entre quem estava no terreno”, revela o tenente-coronel.

O Ministério da Administração Interna determinou a instauração de um inquérito às circunstâncias em que ocorreu a morte do bombeiro.

A Câmara de Mirando do Corvo decretou três dias de luto municipal.

País em alerta amarelo até à meia-noite

O país entrou em alerta amarelo da Proteção Civil até à meia-noite deste domingo. Depois dessa hora, o alerta amarelo irá manter-se apenas nos distritos de Beja, Castelo Branco, Faro, Evora, Guarda, Portalegre e Santarém.

Há instabilidade atmosférica, com possibilidade de trovoadas secas, o que obriga a uma movimentação de forças que previna a possibilidade de ocorrência de incendios.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.